sábado, 22 de janeiro de 2011

Um Poema ao Acaso: queria que me acompanhasses - Ana Paula Inácio

queria que me acompanhasses
.
queria que me acompanhasses
vida fora
como uma vela
que me descobrisse o mundo
mas situo-me no lado incerto
onde bate o vento
e só te posso ensinar
nomes de árvores
cujo fruto se colhe numa próxima estação
por onde os comboios estendem
silvos aflitos
.
ana paula inácio
poetas sem qualidades
averno

2 comentários:

Sónia M. disse...

...e como saberei eu que frutos quero plantar, se não souber os nomes das árvores?
Por isso mesmo no lado incerto e até contra o vento permaneces junto pela vida fora.

(A interpretação que fiz deste poema, neste momento, nesta hora em que o li.)

Beijo
Sónia

Alexandre de Castro disse...

Cada poema que se escreve é uma árvore que se planta. Tem nome e destinatário. Nasce vigorosamente da terra e floresce pela "vida fora" em todas as primaveras. O fruto amadurece, mesmo que o "vento" venha do lado incerto.
E foi assim que este poema floriu:

Dissertação sobre uma história de amor…


Foi no dia em que queimaste as bonecas

que me cruzei contigo

na rua onde então vivias

guardei o teu olhar no bolso do casaco

e comecei a comer ameixas

para não me esquecer dos teus lábios

da cor do carmim

mais tarde, encontrei o teu nome

num anúncio de um jornal

pedias a devolução do olhar

a quem o tivesse encontrado

levei também uma taça de ameixas

para tu provares.