domingo, 16 de janeiro de 2011

Um Poema ao Acaso: Arte de amar - Ovídio *

Falei-vos dos horrores
que as mulheres provocaram
com seus loucos amores.
A paixão feminina é mais ardente
e mais impetuosa do que a nossa.
Porque esperas, ó homem? Não duvides
que todas as mulheres terás rendidas.
Em mil, haverá uma
que resistir-te possa.
Quer cedam, quer resistam
Gostam sempre de ser solicitadas.
Ainda que tu falhes
não corres perigo, pois não perdes nada.
Mas não temas sequer ser derrotado.
O prazer que nos traz uma nova volúpia
é sempre festejado
e pelas coisas alheias
mais que pelas próprias somos atraídos.
Sempre achamos mais fértil a seara
do campo do vizinho
e o seu gado tem sempre as tetas mais inchadas.

Ovídio, Arte de Amar (tradução de Natália Correia e de David Mourão-Ferreira)
**
* Ovídio (Publius Ovidius Naso, n. 43 A.C, m. 18 D.C.) foi um dos mais importantes poetas latinos da Antiguidade Clássica e, juntamente com Virgílio e Horácio, é considerado um dos três poetas canónicos da cultura ocidental, tendo sido muito lido na Alta Idade Média e exercido uma grande influência em Dante e Shakespeare.
A Arte de Amar ("Ars Amatoria") é uma obra composta por três livros, que tratam do amor e da sedução. O primeiro refere-se ao tema como conquistar o coração das mulheres, o segundo, como manter a mulher amada, e, o último, dirigido às mulheres, ensina-as como atrair os homens. Teria sido a publicação deste poema que determinou o seu banimento de Roma, por parte do imperador Augusto, já que o poema celebrava as relações extraconjugais e afrontava os valores morais e os valores da família, promovidos pelo regime. Ovídio foi condenado a um longo exílio, não tendo nunca mais regressado a Roma.
As suas elegias reflectem muito as suas vivências pessoais, o seu eu, além de retratarem com fidelidade a mentalidade da Roma Antiga em relação às coisas do amor, que os romanos, posteriormente, extremaram até ao limite superior da luxúria. Para os romanos, amar não era pecado.
AC

Sem comentários: