sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

PCP lança campanha sobre saída do euro


PCP lança campanha sobre saída do euro

O PCP anunciou hoje [17 de Dezembro] que vai realizar uma campanha sobre a saída do euro, entre janeiro e junho de 2017.
***«»***
Trata-se de uma grande iniciativa do PCP, que faltava ao país. Só com uma moeda própria, adaptada, no ponto de vista cambial, à produtividade da economia nacional, se poderá caminhar no sentido do crescimento e do desenvolvimento, que o elevado valor do euro está a estrangular, pois não favorece o aumento desejável e sustentável das exportações, o que é urgente e importante, ao mesmo tempo que facilita o aumento das importações, o que não é favorável para a economia O consumo, através da importação de bens de luxo, não enriquece o país, antes o empobrece.
Sempre que abordo este tema, costumo referir a minha metáfora, que é assim: ao aderir ao euro, Portugal fez a figura daquela criança, que vestiu o casaco do pai. Ficava-lhe grande e dificultava-lhe os movimentos. O alfaiate cortou-o e tentou adaptá-lo ao corpo da criança. Ficou mal amanhado. A solução, concluiu-se, é comprar um casaco novo (ou seja, regressara ao escudo).
Claro como água cristalina. Só não vê quem é cego ou quem, por conveniência interesseira, finge que é cego.
É certo que uma saída do euro tem custos e vai exigir sacrifícios (a todos e não apenas a alguns, até aqui os mesmos de sempre), mas que serão temporários, e podendo ser eliminados quando começarem a surgir os resultados positivos de uma nova política, assente no vigoroso aumento das exportações, proporcionado por uma moeda de menor valor, e no investimento público e privado. No entanto, esse sacrifícios, quer na intensidade, quer na interinidade, serão muito menos gravosos do que os existentes na situação actual, que vão perpetuare-se por muito tempo, e em que a economia não conseguirá gerar uma balança comercial, com um folgado superávit, para poder pagar-se a dívida, mesmo que reestruturada.
Alexandre de Castro

quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

A casa de ler no escuro _ Maria Azenha


Tive o privilégio de conhecer, no final do mês passado, a “poeta” Maria Azenha de quem sou um admirador incondicional. O pretexto foi o de receber das suas mãos o seu último livro de poesia, que recentemente publicou, e onde inseriu, como nota preambular, uma pequena frase minha, que, previamente, me solicitara para o efeito, e que aqui transcrevo:

“Todos anseiam escrever um poema num muro escuro.
Se possível, com gomos de lume, para incendiar as pedras.”

Entendi o honroso convite, que volto a agradecer, como uma prova de estima.
***
Maria Azenha, já com duas dezenas de livros publicados, exprime-se poeticamente num estilo literário inconfundível, que ninguém consegue imitar, enquadrando os seus poemas numa geometria metafórica grandiosa, em que o segredo dos efeitos reside na precisão de cada palavra, milimetricamente escolhida, o que me levou a dizer que os seus poemas são verdadeiras “catedrais góticas”.
***
Do livro em causa, “A casa de ler no escuro”, escolhi, para aqui deixar, o poema da página 11 e o da página 33.

O Anjo do desastre

Chegou a morte com a boca cheia de cravos.
Chegou numa certa manhã escura
com sirenes no deserto e
cavalos

contra a primavera
contra a chuva

sem que o sangue de deus existisse num milagre
ou num mícron de segundo.

Vi o anjo do desastre colocar os pés no mundo.

***

A noite da europa

Toda a violência procura o disfarce
de uma virgem que é perseguida por
um louco.

Auschwitz é um cão que morde o poema
triunfante de ruína.

O seu verso de saída é um imperador morto
Que busca o ouro nos destroços

Maria Azenha.

quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

Tenho um minuto para escrever este poema _ maria azenha


Tenho um minuto para escrever este poema

Tenho um minuto para escrever este poema
Um poema que fala de amor e de um deus morto
A minha pena é uma faca de luz e sou o anjo do desespero
Com os dentes trituro a esperança e a tinta da boca
escorre pelas ruas cobrindo-me os ombros.
Sou a nuvem que sobrevoa o silêncio.
O meu voo é o abismo da neve que grita:
Obrigada, meu Deus, por não existires.

©maria azenha

***«»***
Um poema original na forma, arrebatador na essência e divinal na existência...
O poema é fabuloso! Arranca-nos da solidão do Tempo.
Parece-me que a Poesia continua viva. Não morreu na voragem predadora da Nova Idade.

sábado, 17 de dezembro de 2016

Morreu Laura Ferreira dos Santos


Morreu Laura Ferreira dos Santos. Morreu sem ter acabado o seu último combate - o Direito à morte assistida.
Era irmã do poeta Ademar Santos, também já falecido, que eu muito admirava e com quem me correspondia.
A vida é sempre curta, para quem tem sonhos grandiosos, ao serviço da plena cidadania dos direitos, que as instituições políticas e religiosas pretendem negar-nos, como se fossem donas do nosso destino.
Laura Ferreira dos Santos foi um exemplo para todos nós, quer na vida, quer na morte. Morreu naquela idade em que ainda se alimenta o sonho.
Alexandre de Castro

Ver notícia do PÚBLICO

sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

O regime sírio não é o agressor…


O regime sírio não é o agressor…

Não foi o regime sírio, que iniciou esta fratricida guerra. Nem os sectores da oposição a Bashar-al-Assad teriam meios para a desencadear, se não fossem os países ocidentais, particularmente os EUA e a França, a proporem-a aos respectivos dirigentes e a comprometerem-se a treinar e a armar os seus combatentes.
A CIA aplicou na Síria o mesmo estratagema que utilizou em relação ao ISIS (Estado Islâmico), e a França enviou os seus militares para o terreno, a fim de treinar os chamados rebeldes, o que o presidente francês já admitiu publicamente. Além disto, a CIA, tal como procedeu na Líbia, mobilizou mercenários do Catar para o teatro das operações. Não foram, pois, os oposicionistas sírios que, por iniciativa própria e autónoma, desencadearam as hostilidades. Os verdadeiros agressores foram os EUA e a França, que descobriram, a fim de se furtarem à condenação pública, que a melhor maneira de fazer a guerra, a guerra que convém aos seus interesses estratégicos, seria encomendá-la a terceiros.
 
Perante este quadro, o regime legítimo da Síria defendeu-se, defendendo também o seu povo, cuja maioria não se identifica com as políticas dos países ocidentais, em relação ao Médio Oriente. A legítima defesa é um direito universal. O ónus da causa desta guerra é a interferência estrangeira num país independente, que faz parte da ONU.

O envolvimento da Rússia (um país aliado da Síria, desde os tempos da União Soviética) foi determinante para inverter o sentido da guerra, que passou a ser favorável às forças do regime. E foi precisamente a partir do momento desta inversão que a imprensa ocidental iniciou a sua campanha a favor do Direitos Humanos do povo sírio, quando antes se tinha remetido a um silêncio cúmplice e comprometedor, em relação às barbaridades cometidas pelos rebeldes, nas cidades que ocupou. O primeiro cessar-fogo, entre as forças beligerantes, fracassou, porque os rebeldes, em vez de deixar sair a população civil das cidades sitiadas, que era o objectivo do cessar-fogo, manteve-a prisioneira, a fim de lhe servir de escudo, pois sabiam que, a partir daí, ficariam mais expostos a um ataque fortíssimo das forças militares do regime. E este aprisionamento da população civil é um crime, previsto no Direito Internacional. Mas isto não pesou na consciência dos media ocidentais, que persistem na intoxicação e na desinformação da opinião pública.
Alexandre de Castro

sábado, 10 de dezembro de 2016

O Estado Social não pode ser descentralizado nem privatizado...


"A melhor forma de celebrar estes 40 anos do poder local democrático é confiar e apostar na necessidade de maior descentralização", reiterou.
Na sua opinião, os autarcas serão capazes de "governar melhor o mundo", o que justifica um reforço da descentralização de competências da Administração Central para as autarquias.
António Costa - primeiro-ministro
***«»***
[Fica a faltar pouco, para privatizar os municípios].

Eu penso que António Costa, pressionado pelos apertos orçamentais, provocados pelo torniquete da comissão europeia e do BCE, vai iniciar a sua deriva à direita. E uma das fugas para a frente, poderá muito bem ser - à boleia dos propalados méritos da descentralização (que serão úteis e aconselháveis em alguns aspectos) - a transferência de competências para as autarquias, de algumas áreas da Saúde e da Educação, o que será um erro, pois estes dois pilares do Estado Social, que é necessário defender, têm de ser geridos de uma forma holística, tal é a sua complexidade. 

E, por outro lado, nunca fica garantido que, no presente e no futuro, o poder central não venha a cortar no financiamento respectivo. Perante um cenário destes, as autarquias, principalmente as da ala direita do espectro partidária, seriam tentadas a avançar para a privatização dessas competências. Seria uma segunda frente para, por exemplo, os privados prosseguirem a sua estratégia de se instalarem no aparelho do SNS, principalmente na área hospitalar. E falamos em segunda frente, porque a primeira já está em marcha, com a cumplicidade e o apoio da actual equipa ministerial da Saúde, e que consiste em enviar doentes do sector público para gabinetes privados de meios auxiliares de diagnóstico, que, no último ano, nasceram como cogumelos nas principais cidades do país. A explicação oficial é que o sector público, na área dos meios auxiliares de diagnóstico, se encontra saturado, aumentando dia a dia as correspondentes listas de espera. O slogan é a enganadora frase, muito atractiva e sedutora, além de bem elaborada, "o dinheiro anda atrás do doente". 

Ora, seria melhor que esse dinheiro andasse à frente do doente, aplicando-o na compra de novos equipamentos e alargando a dimensão dos respectivos serviços, o que, em termos de escala e a longo prazo, ficaria mais barato para o Estado.

Este conceito e este slongan não são uma novidade lusitana. Um e outro foram usados com sucesso na Grã-Bretanha, durante o doloroso governo de  Margaret Tatcher, na sua ofensiva brutal contra o Serviço Nacional de Saúde britânico, que era exemplar. A Dama de Ferro desvirtuou-o totalmente.

Em Portugal, a estratégia dos privados está a avançar com pèzinhos de lã, para não causar alarme social. De início, até vão ser pródigos no estabelecimento de custos acessíveis, para o utente, enquanto o Estado pagar, e no atendimento, até ao dia em que, já completamente instalados e com o poder de decisão na mão, possam avançar com uma estratégia predadora e com um outro slogan, do género, "quem quer saúde paga-a".

Por isso, afirmamos: deve optar-se pela descentralização, não para destruir direitos, mas para os reforçar. Descentralizar a Saúde e a Educação seria tão desastroso como se se descentralizassem as Forças Armadas, pois não seria uma boa ideia ver o presidente da Junta de Freguesia de Ranholas de Cima, promovido a segundo sargento...
Alexandre de Castro 

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Le Pen dá os parabéns a Salvini


 Le Pen dá os parabéns a Salvini

Marine Le Pen, líder da Frente Nacional, já deu os parabéns ao líder do considerado partido-irmão da força extremista gaulesa, a Liga do Norte. Além dos parabéns dados a Matteo Salvini, Le Pen aproveita ainda, num outro post publicado no Twitter, para considerar que "os italiano renunciaram à UE e a Renzi". A Liga do Norte defende o regresso à lira italiana e a saída do projecto europeu.
Jornal de Negócios
***«»***
Regozijo-me com os resultados de referendo em Itália, por ver neles uma abertura de oportunidades para, num futuro próximo, poder desarmar-se a ditadura do euro, que é um verdadeiro torniquete para as economias dos países do sul da Europa. Mas, por outro lado, preocupa-me o facto de verificar que, na generalidade dos países, com excepção de Portugal, de Espanha e da Grécia, o processo está a ser conduzido pelas forças da extrema-direita xenófoba e fascizante, o que é um mau sinal para o futuro. E a culpa não é desses partidos. A culpa tem de ser assacada, por inteiro, a todos os dirigentes governamentais europeus e a todos os altos funcionários das estruturas da UE, que, através do euro e da centralização de poderes soberanos, extorquidos aos países membros, quiseram construir uma Europa desigual, facilitando o saque dos países do sul da Europa, pelo capital financeiro dos países dominantes (a Alemanha e a França). E os povos, embora tardiamente, começaram a perceber a engenhosa armadilha que proporcionou o enriquecimento dos mais ricos, à custa do empobrecimento dos mais pobres.
AC

domingo, 4 de dezembro de 2016

PCP saiu reforçado do XX Congresso e Jerónimo de Sousa saiu consagrado...


O PCP saiu reforçado deste congresso, com Jerónimo de Sousa a equacionar correctamente aquilo que, para alguns, seria uma contradição insanável, o de estar, por um lado, a apoiar um governo minoritário do Partido Socialista, e, por outro lado, ao nível do discurso, comportar-se como um partido da oposição, não se eximindo a fazer a denúncia de algumas e importantes posições governamentais. Em boa verdade, pode dizer-se que, desde o início do processo da viabilização de um governo minoritário do PS, com o apoio dos dois partidos à sua esquerda, essa contradição nunca existiu, pois o PCP não fez um acordo de incidência parlamentar para toda a legislatura e, por outro lado, soube traçar as linhas vermelhas da sua colaboração, que não poderiam ser ultrapassadas. O que o PCP pretendeu, ao propor um entendimento à esquerda, para viabilizar um governo minoritário do PS, foi a necessidade urgente de bloquear a possibilidade da ascensão da direita ao poder, assim poupando os portugueses a mais quatro anos de dura austeridade e à continuação da sonegação de direitos, ao nível laboral e ao nível da Saúde, da Educação e da Segurança Social (as tais linhas vermelhas, entre outras).

Jerónimo de Sousa deixou o congresso tranquilo. Não houve, não há, nem haverá nenhum recuo do Partido Comunista Português, a nível ideológico, político e programático.

Um outro aspecto importante, que o congresso assinalou e registou, foi a afirmação inequívoca da necessidade urgente de Portugal sair do euro, começando-se desde já a preparar essa saída, matéria que o PCP, anteriormente, sempre abordou com cautela, porque, entre os comunistas, quer do topo, quer da base, e também entre o seu tradicional eleitorado, não haveria uma unanimidade absoluta e garantida. Pela minha parte, direi que esta proposta só pecou por tardia, mas que vem muito a tempo, e até, talvez, mais amadurecida, para vir a mobilizar os militantes, simpatizantes e os trabalhadores para esta inevitabilidade, que já está a ser assumida pelos economistas marxistas e os economistas keinesianos e tamém por muitos portugueses que já perceberam que, com uma moeda forte - que não pode servir de esteio a uma política orçamental nacional, independente dos poderes de Bruxelas e do BCE - o crescimento económico do país será sempre fraco e débil, assim aumentando a exposição dos portugueses a mais austeridade, austeridade essa, que teria de passar por fortes desvalorizações dos salários e das pensões e (isto é uma opinião pessoal) pela entrega progressiva dos pilares do Estado Social aos privados. E os lobies dos grupos económicos - ligados às instituições privadas, que gerem hospitais, e às que gerem estabelecimentos do ensino secundário e do ensino universitário, bem como o poderoso lobie das seguradoras – estão à espera que a cereja lhes caia em cima do bolo. Uma proposta recente, que anda por aí, escondida e envergonhada, de tentar mudar o estatuto público da Universidade de Coimbra, para se constituir numa Fundação, é uma das cerejas desse bolo. É que, através das leis, é mais fácil privatizar uma fundação do que uma universidade pública. Esta e outras “manhosices” vão ser a massa com que os privados querem fazer o pão. O Estado Social tem um potencial de negócio enorme, que nenhum grupo económico português iguala em valor. São muitos milhares de milhões de euros, que estão em causa. Mas, além disso, ficariam comprometidos os direitos dos portugueses, em relação à Saúde, à Educação e à Segurança Social.

Em relação ao congresso do PCP, uma palavra final. Este congresso foi o congresso da consagração de Jerónimo de Sousa, como Secretário-Geral do Partido Comunista Português. Um líder de elevado mérito, que conseguiu manter intacta a matriz original do partido. Vai ficar na galeria da História do PCP e na memória dos militantes, dos actuais e dos futuros. Impressiona a sua modéstia e humildade, modéstia e humildade que são apanágio dos grandes líderes.
Alexandre de Castro

sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

A verdade de Jerónimo de Sousa no XX Congresso do PCP


APONTAMENTO SOBRE 
O XX CONGRESSO DO PCP

Esta opção, sublinhou o secretário-geral do PCP, no seu discurso de abertura do XX Congresso do partido, passa por "enfrentar o problema da dívida, preparar o país para se libertar do euro, rejeitar as imposições do tratado orçamental e de outros instrumentos, assegurar o controlo público sobre a banca e o setor financeiro".
***«***
Socorrendo-nos da célebre frase de Émile-Auguste Chartier, e adaptando-a à situação, poderemos dizer que Jerónimo de Sousa identificou a mãe de todos os vícios – a colossal dívida do Estado à troika e aos privados – mas também a mãe de todas as virtudes – a saída de Portugal do euro, a ruptura com o Tratado Orçamental e o controlo público sobre banca e o sector financeiro.
Por mais piruetas que os paladinos do europeísmo façam, por mais cantigas de embalar, que entoem, por mais vantagens que apresentem, em relação à construção europeia (cheia de entorses) a realidade acabará, tragicamente, por se impor, se não aparecer um outro Alexandre que, com a sua espada, decepe o nó górdio de Portugal.
Com uma crise demográfica, que vai agravar-se no futuro, e sem investimento público e privado (quem é que quer apostar num país falido - uma falência já instalada, tal como afirmou recentemente Thomas Mayer, ex-economista-chefe do Deutsche Bank), Portugal não conseguirá crescer sustentadamente, nem gerar excedentes para satisfazer compromissos financeiros, o que vai obrigar a alienar a privados o Estado Social (saúde, educação e segurança social), uma opção que, segundo consta, já estará a ser planeada secretamente, com o beneplácito da Alemanha e da Comissão Europeia, e que envolve muitos lobies instalados.
Alexandre de Castro

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

MEMORIAL PARA FIDEL


Cinzas de Fidel vão percorrer 950 quilómetros em quatro dias

A urna com as cinzas de Fidel Castro deixou hoje de manhã Havana para uma viagem de quatro dias em caravana pela ilha até Santiago de Cuba, berço da revolução, onde serão enterradas no domingo.
… Após quatro dias de viagem e percorridos cerca de 950 quilómetros, as cinzas serão enterradas no domingo no cemitério de Santa Ifigenia de Santiago, ao lado do mausoléu de José Marti, herói da independência de Cuba.
Diário de Notícias
***«»***

MEMORIAL PARA FIDEL

É um momento solene de luto. Mas também é um glorioso momento de exaltação revolucionária, internacionalista e patriótica. Alejandro Fidel Castro não pertence apenas ao povo cubano. Pertence ao mundo dos oprimidos e dos humilhados e a todos aqueles que lutaram e lutam contra a tirania do imperialismo e contra a ditadura do capitalismo financeiro.
Honremos a herança, que nos deixou...
Alexandre de Castro

domingo, 27 de novembro de 2016

Para Fidel Castro…




Para Fidel Castro…


As árvores ficaram despidas e nuas
quando a tua voz se calou na sombra da noite
e os astros incandescentes se apagaram
ouviram-se os pássaros pendurados nos alpendres
e um relâmpago riscou o céu
da Serra Maestra até Havana
a iluminar o caminho da glória
da tua marcha heróica e triunfal…

Agora, junto a tua voz à minha memória
e à memória da voz do companheiro Che Guevara,
o outro astro incandescente da nova aurora
o outro herói da gesta revolucionária
que acendeu em nós a chama da liberdade
e que morreu lutando pelo sonho que sonhou…
Hasta siempre, comandante Fidel Castro…

Alexandre de Castro

Lisboa, Novembro de 2016

O outro lado de Cuba (o principal), que muitos não querem ver...

Clicar para ampliar a imagem

sábado, 26 de novembro de 2016

Homenaje al Comandante en Jefe Fidel Castro






Morreu o HOMEM!... Hoje, também eu morri um pouco. Fidel  Castro foi uma referência incontornável da minha geração de militância.
Morreu o HOMEM que devolveu a dignidade ao povo cubano.
Hasta siempre, camarada El Comandante...

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Bilderberg: O Clube Secreto dos Poderosos


“Parece o argumento de um filme mas trata-se de algo real: o clube Bilderberg, que se reúne há 61 anos, congrega as individualidades mais poderosas do mundo e aqueles que um dia serão altos dirigentes”, afirma a TVI numa reportagem sobre o livro O Clube Secreto dos Poderosos, da jornalista Cristina Martín Jiménez. Esta sevilhana explica que os membros do Bilderberg “têm o poder como ideologia” e implementam “planos secretos para governar o mundo inteiro, destruindo gradualmente as soberanias nacionais e tirando aos países a capacidade de decidir. Desde o 25 de Abril que os portugueses estão muito alheados do que realmente se passa e muito dependentes dos políticos, que promovem certas pessoas e outras não. A crise terá sido fabricada entre quatro paredes para dar mais poder a quem já o tem.”
“José Sócrates foi ao Bilderberg um mês antes de ser líder do PS e um ano depois ganha as eleições legislativas. Quando eles vêem que alguém se pode destacar chamam-no e, se passar no teste, terá todo o apoio de Bilderberg”, garante Cristina Jiménez, recordando que António Costa é também – tal como Sócrates – outro servo das elites políticas, tendo ingressado no Bilderberg em 2008.
O vídeo acima inclui a entrevista que a escritora deu à revista Sábado.
In PORTUGAL CONFIDENCIAL

terça-feira, 22 de novembro de 2016

A entrevista de Bashar al-Assad à RTP e a tragédia do povo sírio...


Para garantir o pleno domínio no Médio Oriente, os EUA necessitam de abater o regime sírio. Não podendo fazer a guerra directamente, devido à impopularidade que essa acção desencadearia na opinião pública americana e na opinião pública mundial, mudaram de estratégia e começaram a encomendar a guerra a terceiros, a quem prestaram e prestam, juntamente com a França (socialista?), apoio logístico, financeiro e, ainda, um intenso treino militar no território sírio, dominado pelos rebeldes. O próprio ISIS é uma inspiração da CIA, que recrutou, doutrinou e instruiu os dois principais dirigentes daquele grupo terrorista, entre os prisioneiros árabes, que enclausurou nas suas prisões no Iraque, depois da invasão daquele país, ordenada por Bush e por Blair, e cuja justificação, que  veio a revelar-se falsa, se baseava na existência, em solo iraquiano, de armas de destruição maciça (nunca encontradas), ao dispor de Hussein Sadam. 

Na invasão da Líbia, os EUA recrutaram mercenários do Qatar, que se faziam passar, posando para as televisões ocidentais, por opositores líbios ao regime de Kadafi.

Kadafi e Sadam foram mortos, o primeiro de uma forma bárbara e o segundo foi enforcado, por sentença de um tribunal fantoche iraquiano, manipulado pela CIA. Houve a abjecta preocupação de exibir pelas televisões o seu enforcamento, para que a humilhação e o castigo servissem de exemplo para todos os dirigentes políticos que se atravessem a passar pelo caminho dos interesses estratégicos dos EUA.

Agora, as potências ocidentais querem fazer o mesmo ao líder sírio, Bashar-al-Assad . Para completar o cerco a Damasco, aquelas potências aliciaram as forças da oposição ao governo sírio, treinando-as e financiando-as, a fim de iniciarem uma guerra civil. Com o ISIS a atacar pelo nordeste e os grupos rebeldes a actuarem a oeste, o exército sírio não poderia, sozinho, oferecer resistência, se, entretanto, a Rússia, uma velha aliada do regime sírio, já desde do tempo da União Soviética, não entrasse na contenda, com a sua poderosa aviação militar.  

Com esta política suicida, que já tem vindo a ser aplicada, desde a fundação do Estado de Israel, os EUA criaram uma enorme desestabilização em todo o Médio Oriente e destruíram os dois países árabes com maiores afinidade culturais com o ocidente - o Iraque (a comunidade sunita) e a Síria. Mais grave ainda: com esta interferência criminosa no Médio Oriente, os EUA estão a contribuir para internacionalização do conflito, o que constitui uma ameaça para a paz mundial. 

A culminar toda esta desumana escalada da violência, provocada pela guerra, o mundo, incrédulo e estupefacto, confrontou-se com o drama dos refugiados, que escreveram a sua Odisseia Trágico-Marítima, que a História não apagará nem a memória colectiva esquecerá. 
Alexandre de Castro

domingo, 20 de novembro de 2016

Dia da Consciência Negra



Dia da Consciência Negra

O racismo ainda existe em muitos países. Até é possível que venha a aumentar no país que tem a maior economia do mundo. No entanto, quero aqui assinalar que o meu país, Portugal, a este nível, fez as pazes com a História. A integração das comunidades negras, oriundas das suas antigas colónias, está a ser muito bem sucedia.

O país que teve um grande império colonial, o país dos "negreiros", que praticou, em grande escala, o comércio e o tráfego de escravos negros, o país em que a principal casa ducal, a de Bragança, tinha em Vila Viçosa, confinados a um espaço específico, "escravos reprodutores", como se fossem cavalos, o país que manteve, durante treze anos, uma injusta Guerra Colonial, contra os movimentos de libertação da Guiné, de Angola e Moçambique, esse mesmo país redimiu-se dessa nódoa da História numa madrugada redentora de Abril, que a negritude da noite ainda não conseguiu engolir.

É certo que nos encontramos no princípio do caminho e ainda há muito a fazer para que a integração avance, corrigindo as desigualdades económicas e sociais. No entanto, a consignação dos direitos está garantida. E, neste aspecto, orgulho-me do meu país.
Alexandre de Castro

P.S - Em todas as épocas e em todo o lado, o preconceito sempre se sobrepôs à inteligência. O racismo é um problema de cultura, ou melhor, da falta dela.

segunda-feira, 14 de novembro de 2016

De quem é a culpa?


Não há extremista político, populista isolacionista, ditador ou candidato a ditador que não se encontre reconfortado com a vitória de Trump.
Vicente Jorge da Silva -  PÚBLICO
***«»***
De quem é a culpa?

A culpa pelo ressurgimento da extrema-direita não é dos políticos extremistas, dos populistas isolacionistas e dos ditadores ou dos candidatos a ditadores. É, somente, culpa do sistema e das actuais elites políticas, económicas, financeiras e culturais (incluindo a comunicação social), que dirigem esse sistema. 

Um sistema que, pelo delírio neoliberalizante, alargou o fosso entre ricos e pobres. 

Um sistema que regressou aos argumentos da guerra, e que, agora, passou a ser encomendada a terceiros, para iludir as respectivas opiniões públicas.

Um sistema que fez da globalização uma bandeira, ignorando a sua rectaguarda ao nível do emprego, cuja oferta diminuiu, estando, assim, cada vez mais distante o pleno emprego, prometido tantas vezes.

Um sistema que deixou o sector financeiro à solta, sem freios e sem lei nem roque, para fazer todas as tropelias, que os contribuintes tiveram de pagar.
AC

Globalização: quem ganha e quem perde…


Globalização: quem ganha e quem perde…

Neste insano esforço de defender a desregulamentação dos mercados, promovida pela globalização, em que se enaltecem, e bem, os benefícios recebidos pelos países subdesenvolvidos, para onde foram deslocalizadas as indústrias dos países desenvolvidos, e, ao mesmo tempo, se destaca o baixo preço dos produtos, importados desses países, esquecem-se dois aspectos importantes:

1- Os milhões de desempregados que a deslocalização das indústrias provocou nos países ricos, e que ficaram sem alternativa de emprego compatível, assim empobrecendo. Foram estes segmentos populacional que, nos Estados Unidos e na Grã-Bretanha, deram a vitória, respectivamente, a Donald Trump e ao Brexit. Cá se fazem, cá se pagam.

2- Também é necessário contabilizar o aumento exponencial de lucros verificado, o que enriqueceu ainda mais os accionistas dessas empresas deslocalizadas, essencialmente, as grandes multinacionais.
Poder-se-à dizer que que esses ganhos foram conseguidos à custa do empobrecimento dos trabalhadores despedidos, o que foi injusto E pouco se fala desta injustiça, porque o sistema quer resguardar a imagem pública do neoliberalismo e a desregulamentação dos mercados, provocada pela globalização.
Alexandre de Castro


domingo, 13 de novembro de 2016

Agradecimento



Agradeço à Branca Costa a amabilidade de ter aderido ao Alpendre da Lua

Blowing In The Wind (Live On TV, March 1963) - Bob Dylan





 Blowing in the wind

Quantos caminhos deve um homem percorrer
antes que o chamem de Homem?

Quantos mares deve
uma pomba branca navegar
antes que possa repousar na praia?

Quantas vezes mais
as balas de canhão voarão
até que sejam banidas para sempre?

A resposta, meu amigo, está
em soprar no vento...

Quantos anos deve uma montanha existir
até que desapareça no mar?

Quantos anos devem algumas pessoas existir
até que lhes seja permitido de serem livres?

Quantas vezes pode um homem virar a sua cabeça
e fingir que, simplesmente, não vê?

A resposta, meu amigo, está
em soprar no vento...

Quantas vezes um homem deve olhar para cima
antes que possa ver o céu?

Quantos ouvidos deve um homem possuir
até que possa ouvir o pranto do seu próximo?

Quantas mortes ainda serão necessárias
até perceber que morreram pessoas demais?

A resposta, meu amigo, está
em soprar no vento...

Bob Dylan
 **
Esta publicação foi inspirada nas fotografias de Bob Dylan, contidas num álbum que o meu amigo João Fráguas me enviou, a propósito da nomeação do grande cantor, compositor e poeta  para o Prémio Nobel da Literatura. 

sábado, 12 de novembro de 2016

Carta a uma amiga sobre a semelhança entre Donald Trump e Hitler


Carta a uma amiga sobre a semelhança entre Donald Trump e Hitler

Amiga Lara:

No meu texto, que lhe enviei, e que anteontem publiquei no blogue Alpendre da
Lua, eu dizia que Trump me recordava Hitler.

Hitler ganhou o poder, porque, discretamente, foi apoiado fortemente, no ponto de vista político e financeiro, pelos grandes industriais alemães, que viviam em pânico, perante o avanço do movimento comunista. Cada vez mais, intelectuais, operários e franjas das classes médias começaram a aderir ao marxismo. Por outro lado, as eleições “livres”, burguesas, antes, devidamente condicionadas pelo pensamento dominante, inspirado pelo grande capital, começaram a abrir brechas e a não corresponder aos interesses das classes dominantes. Era necessário uma ditadura e um demagogo, que a dirigisse, e que soubesse, para encobrir o que de odioso todas as ditaduras têm, encontrar um inimigo, que o povo, intimamente, também odiasse. Esse povo, foi o povo judeu. E à boleia da perseguição aos judeus, meteram-se no mesmo saco os comunistas.

Donald Trump poderá muito bem ser uma emanação política dos mais secretos e sujos interesses das multinacionais americanas e do poderosíssimo clã sionista-judaico, que impera na banca e move todos os cordelinhos na política.
Aliás, Israel vive à custa dos movimentos desses cordelinhos.

Falta falar da guerra. Há duas semanas, a tensão entre os EUA e a Rússia esteve ao rubro, o que levou Putin a ter de exibir um sofisticado míssil balístico, capaz de atingir o coração da América, respondendo assim à construção de bases de lançamento de mísseis, pela NATO, na sua fronteira ocidental. A guerra da Síria, país que os EUA precisam de neutralizar, para dominar o Médio Oriente, está a ser o ensaio geral de uma guerra total. E Trump é suficientemente louco, tal como Hitler, para a desencadear.

quinta-feira, 10 de novembro de 2016

As eleições americanas serão o princípio do fim?


As eleições americanas serão o princípio do fim?

O que eu valorizei mais, nestas eleições dos EUA, foi a estrondosa derrota do establishment. Além das elites políticas e económicas americanas, quem também está verdadeiramente assustado, com a vitória de Trump, são os dirigentes políticos dos países da ortodoxia neoliberal, aliados do império, e que já estão a ver o poder a fugir-lhes debaixo dos pés. Foi confrangedor ouvir e ver Holland, no seu discurso de felicitações (a fazer fisgas) ao novo presidente dos EUA, que mais parecia um discurso fúnebre, da assumpção da derrota, numas eleições francesas.

Trump, como elemento off side do sistema, baralhou o jogo do discurso do politicamente correcto, ao falar para todos aqueles americanos, que já não se reviam no sistema do bipartidarismo instituído, e que os impedia de aceder a uma vida digna. A população branca americana, marginalizada e pobre, descobriu, nestas eleições, um processo de dar uma grande machadada nas elites da política, da economia e das do mundo académico, que sempre a ignoraram, não optando, agora, pela clássica abstenção, mas votando em Donald Trump. Assim, Donald Trump seria o elefante, que iria entrar numa loja de porcelanas.

É certo que Trump é um populista perigoso e a sua eleição lembra-me a eleição de Hitler, como chanceler, que centrou o seu discurso na xenofobia, no antissemitismo e na restauração do orgulho germânico, humilhado em Versalhes.

De qualquer forma, não deixo de recorrer ao paradigma da História: os impérios nascem, crescem, atingem o firmamento na idade adulta, envelhecem e morrem. E o império americano e os seus apêndices ocidentais já estão, de forma acelerada, a envelhecer. Não sei se será Trump, que, inadvertidamente, lhes dará a machadada final. No entanto, uma coisa é certa: as contradições do imperialismo já são enormes e não têm solução à vista (a crise da dívida e do euro já dura há seis anos - são muitos anos - e uma nova crise financeira mundial está prevista para breve).

O Brexit constituiu o primeiro alarme, a evidenciar o desconforto de grande parte do eleitorado, em relação ao sistema, principalmente o oriundo da classe média. E, possivelmente, outras hecatombes eleitorais irão ocorrer brevemente na Europa (França, Itália e Alemanha).
Será o princípio do fim?
Alexandre de Castro

Agradecimento...


Agradeço ao Manuel, ao Francisco Serra, ao Álvaro Cartas e ao João Fernandes a amabilidade de terem aderido ao Alpendre da Lua

sábado, 13 de agosto de 2016

Muchas razones a defender - Canción a Fidel Castro


Fidel Alejandro Castro Ruz (Birán, 13 de agosto de 1926)

Fidel, o homem que devolveu a dignidade ao povo cubano...

Faz hoje 90 anos.

Para que Portugal continue a ser dos portugueses...

Marcelo Rebelo de Sousa admitiu realizar 
em São Paulo a cerimónia do 10 de Junho de 2018

Presidente da República anunciou intenção de comemorar 10 de Junho com os portugueses no estrangeiro ano sim ano não.
***«»***
Se estamos a perder Portugal, cá dentro, ao menos, que o façamos crescer, lá fora, onde quer que se encontre a nossa diáspora.
Alexandre de Castro
13 AGO 2016

quinta-feira, 11 de agosto de 2016

Uma política preventiva é o meio mais eficaz e menos oneroso de combater a praga dos incêndios florestais


Incêndios. Ministra esperava "maior solidariedade" de parceiros europeus

Portugal acionou mecanismo europeu de proteção civil. Itália respondeu ao pedido de ajuda, Espanha já tinha enviado dois aviões
A ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, mostrou-se esta quinta-feira insatisfeita com a resposta dos parceiros europeus ao pedido de ajuda de Portugal civil para fazer face aos muitos incêndios que lavram no país.
"Estava à espera de uma maior solidariedade dos parceiros europeus", afirmou a ministra, sublinhando que Marrocos, apesar de não pertencer à União Europeia, respondeu prontamente ao pedido de auxílio.
Constança Urbano de Sousa disse ainda, em Arouca, que o dispositivo de combate a incêndios tem estado a responder "com enorme determinação" aos vários fogos que assolam o país, salientando que o trabalho tem sido dificultado pela "severidade" das condições meteorológicas.
"O nosso dispositivo de combate a incêndios é robusto, capaz e bem treinado. Ao longo destes anos foi sendo desenvolvido e está adequado para fazer face a grandes fenómenos com alguma severidade", assegurou.

***«»***

Uma política preventiva é o meio mais eficaz e menos oneroso de combater a praga dos incêndios florestais

A senhora ministra da Administração Interna ainda não percebeu que a Europa não é um espaço de solidariedade. É um espaço de negócio. Registe-se o altruísmo de Marrocos, da Espanha e da Itália.
A senhora ministra (que não tem culpa nenhuma da actual tragédia incendiária) também ainda não percebeu, e baseando-nos nas declarações por si proferidas, que por mais meios de combate que existam (bombeiros e helicópteros) para utilizar nos incêndios florestais, não é possível deter a fúria do fogo, nem evitar a sua deflagração, na época crítica, se não houver previamente uma verdadeira política de prevenção, que praticamente não existe. 
Ao contrário do que acontece com os incêndios urbanos, os florestais não podem ser extintos com água e ar, e a acção dos helicópteros é muito limitada. A estratégia correcta para evitar a sua ocorrência é "roubar-lhes o alimento", quer provocando, antes da época crítica (Julho e Agosto), incêndios controlados nos matagais entre zonas contíguas de denso arvoredo, quer limpando as matas e, ainda, e isto é importante, estimulando a actividade da pastorícia. Os rebanhos roubam o material combustível, que alimenta as chamas. Por este trabalho prestado à sociedade, os proprietários de rebanhos recebem um subsídio estatal, que o anterior governo reduziu, revertendo uma parte a favor dos bombeiros. Claro que os bombeiros (uns verdadeiros heróis, que não sabem chutar a bola) precisam de mais meios físicos e de mais incentivos, mas que deveriam ser custeados por outras fontes de financiamento, que não a que estava destinada para os pastores. 
Por outro lado, é necessário romper com os lobies de interesses que giram à volta do fogo, e que privilegiam a estratégia do combate às chamas, em vez da estratégia preventiva, ao mesmo tempo que dão a ganhar, a muita gente, dinheiro sujo. Veja-se o caso do serviço das frotas de helicópteros de empresas privadas, serviço esse que a Força Aérea está em condições de prestar com eficácia, a um custo muito menor. 
Pelo que disse, a senhora ministra tem muito que aprender sobre a natureza desta praga, que devora património e alarma as populações rurais, que apenas têm voz na comunicação social, quando as suas casas são consumidas pelas chamas.
Alexandre de Castro
11 AGO 2016