sábado, 26 de fevereiro de 2011

Novos relatos dos ataques à porta das mesquitas em Trípoli:


Novos relatos dos ataques à porta das mesquitas em Trípoli: “Os disparos começaram quando ainda estávamos a rezar. E quando as pessoas começaram a sair, dispararam sobre elas. Muitos dos meus vizinhos morreram hoje. O meu irmão foi alvejado numa perna. A situação aqui é horrível. Há helicópteros no ar e chovem balas do céu. (...) A milícia e os apoiantes de Khadafi andam com armas pesadas e não deixam as pessoas juntar-se. Apenas disparam o tempo todo. Parece que estamos numa zona de guerra. E isto aqui é uma zona civil, as pessoas não estão armadas”, contou um residente à BBC.
BBC/PÚBLICO
***
Mesmo que o seu despótico regime pudesse sobreviver à enorme vaga de protesto de um povo inteiro, Khadafi nunca iria ter condições para continuar a governar a Líbia. Hoje, o povo líbio sabe que ele está apenas a ser apoiado pela sanguinária milícia comandada por um dos seus filhos, pelas suas brigadas revolucionárias (uma espécie de Legião Portuguesa do salazarismo), composta por militantes a quem o regime comprou a fidelidade, através de inúmeros benefícios, de que a maioria da população não beneficia, e pelos jovens mercenários, recrutados no Chade, jovens estes que foram enganados, pois tinha-lhes sido prometido um trabalho normal na Líbia. A maioria do exército regular já o abandonou e a Força Aérea recusa-se a fazer novos bombardeamentos sobre civis indefesos.
O ditador está reduzido a Tripoli, a capital, onde, no seu covil, ainda sonha manter o poder, à custa de muito sangue. Hoje, sexta feira, o dia sagrado para os muçulmanos, cometeu um erro capital, que irá ser-lhe fatal. Sabendo que a cidade iria ser invadida pelos revoltosos, no fim das orações da manhã, não teve qualquer escrúpulo de ordenar aos seus capangas para dispararem sobre os incautos fiéis, à saída das mesquitas da cidade, na tentativa de, pelo medo, desmobilizar o povo da sua intenção de marchar para a praça Verde. Se Khadafi não desistir de querer continuar a resistir à vontade do povo, não tenho dúvidas que irá acabar por ser enforcado na praça Verde. Ele, no seu demente desespero, só está a acumular ódios e vinganças.

5 comentários:

Maria José Meireles disse...

O poder é um dado adquirido. Não deve ser retirado assim, de qualquer maneira. Também o líder está a ser violentado. Sou contra toda a forma de violência. Com uns bons calmantes, mesmo que colocados na bebida, penso que não seria necessário que corresse tanto sangue.

Anónimo disse...

Eu julgo que quem anda a tomar calmentes a mais é a senhora que escreveu o comentário anterior.Nunca ninguém escreveu tantas baboseiras por centímetro quadrado. O Khadafi está a ser violentado?! Deixem-me rir...
Ah! O veneno! o veneno na bebida! Já agora um hipnotizador para amansar o bicho!

Maria José Meireles disse...

Anónimo, fui à Escola da Ponte e foi como se tivesse tomado uma caixa de calmantes inteirinha. Quem sabe não faria bem ao próprio Khadafi visitar esta escola.
De resto, não posso enquadrar comentários anónimos, mas posso também recomendar-lhe uma visita à Escola da Ponte.

Maria José Meireles disse...

De qualquer modo, quero agradecer o tempo que o Anónimo "perdeu" com as "baboseiras" que somente esta Senhora consegue escrever, porque "Dou-me de graça mas não me vendo por preço nenhum" (Fogo de Pandora).

Maria José Meireles disse...

Se Khadafi soubesse o que é uma Mulher Portuguesa tudo seria bem diferente.
Não é por acaso que Portugal é um país de "brandos costumes" :)
(Anónimo)