terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Notas do meu rodapé: "Faz-te missionário", não fodas!

¿Bendito condón que quitas el SIDA del mundo?

"Bendita VERDAD que quitas la ignorancia del mundo"
*
Igreja responde a campanha que associa preservativo à hóstia
.
Polémico vídeo de uma organização juvenil do PSOE que associa o preservativo à hóstia já tem resposta da Igreja. Slogan "Não te deixes enganar", música e layout repetem-se, agora com uma mensagem diferente.
.
O vídeo da campanha "Bendito condón que quita el sida del mundo" foi lançado durante a semana mundial de luta contra a sida e promovida pela juventude do PSOE , partido do primeiro-ministro espanhol, José Luis Zapatero.
Mostra uma imagem de um padre segurando a hóstia e, seguidamente, o mesmo gesto mas com um preservativo. O vídeo causou polémica e gerou críticas por parte de várias associações religiosas que a acusavam de blasfémia.
.
Vídeo da campanha indisponível
Foi visto no YouTube e partilhado no Facebook. Está agora indisponível, segundo a mensagem deixada no vídeo, "devido a uma reivindicação de direitos de autor".
Mas o vídeo de resposta da Igreja está visível e disponível, com uma base semelhante ao da campanha, a mesma música e o mesmo slogan: "Não te deixes enganar." Mas a mensagem passada é diferente, refere que quase 30% dos centros de ajuda no combate à sida são católicos e deixa a mensagem: "Se realmente te preocupas com a sida, luta de verdade, faz-te missionário".
EXPRESSO
***
Na luta contra a sida, a igreja católica sobreleva, na sua acção, que é meritória, o factor assistencial, relegando para um segundo plano, ou até ignorando-o, o da promoção da prevenção da doença, que, em África, assume proporções alarmantes. A igreja católica preocupa-se com os efeitos, que são devastadores, e negligencia as causas, a não ser aquelas que lhe permitam exercer a sua doutrina e a sua acção evangélica.
A concepção das medidas de prevenção da sida pertence ao foro científico, e está provado que a promoção da utilização do preservativo é o melhor método para prevenir o contágio, método este que a igreja católica combate ferozmente, porque lhe afecta o conceito doutrinário sobre as relações sexuais e sobre o casamento canónico. Promover a utilização do preservativo, é, para a igreja católica, promover a liberdade sexual, a que vota um ódio de morte, tudo fazendo para a reprimir.
O preservativo, ao ser catapultado para a categoria de um inimigo perigoso, a abater, evidencia a degenerescência de uma religião que anda sempre atrasada em relação à evolução da sociedade e da ciência. Já nem a maioria dos católicos acredita, nem sequer os padres pedófilos, que as relações sexuais têm de estar subjugadas ao casamento, e, mesmo aí, com a única intenção de procriar.
Ao ter sido bloqueado no YouTube o vídeo promocional da Juventude do PSOE da Andaluzia, sobre o uso do preservativo na prevenção da sida, fica bem evidenciado o grande poder de influência sobre o poder político, que a igreja católica ainda possui em Espanha. Naquele país, exerceu-se a ignomínia da censura ou influenciou-se o ato da auto-censura. Em qualquer dos casos, cometeu-se um atentado contra a liberdade de expressão, que me indigna e revolta, o que me levou, como única forma de protesto eficaz de que disponho, a escolher para esta peça um título "agressivo", talhado à medida da hipocrisia reinante.