domingo, 3 de outubro de 2010

A campanha de intoxicação mediática contra o presidente Lula e contra a candidata Dilma Rousseff



Os órgãos da comunicação social privada em guerra contra Lula e Dilma **

Por: Leonardo Boff *

Sou profundamente a favor da liberdade de expressão pela qual fui castigado com “silêncio obsequioso” pelas autoridades eclesiásticas do Vaticano. Com o risco de ser preso e torturado, ajudei a editora Vozes a publicar o livro Brasil Nunca Mais, onde se denunciavam as torturas, usando exclusivamente, como suporte, as fontes militares, livro esse que contribuiu para a aceleração da queda do regime autoritário.
Esta história da minha vida dá-me autoridade para fazer as críticas que faço agora da guerra actual entre o presidente Lula e os meios de comunicação social, que se queixam de que está a ser menosprezada a sua liberdade. O que está ocorrendo já não é um embate de ideias e de interpretações sobre o uso legítimo da liberdade de imprensa. Pelo contrário, está a ocorrer um claro abuso da liberdade de imprensa, porque, prevendo uma derrota eleitoral, esses meios da comunicação social decidiram desencadear mediaticamente uma guerra tenaz contra o presidente Lula e a candidata Dilma Rousseff. Nesta guerra vale tudo: A ocultação de factos, a distorção e a mentira directa.
É necessário dar o nome destes poderosos meios e dos seus agentes. São famílias que, quando vêem contrariados os seus interesses comerciais e ideológicos, se comportam como «família mafiosa». São patrões que pretendem falar para todo o Brasil e manter sob a sua tutela a chamada opinião pública. São os patrões de O Estado de São Paulo, A Folha de São Paulo, O Globo e a revista Veja, nos quais se instalou a razão cínica e o que há de mais falso e mafioso na imprensa brasileira. Estão ao serviço de um bloco histórico, assente sobre o capital, que sempre explorou o povo e que não aceita um presidente proveniente desse povo. Mais que informar e fornecer material para a discussão pública, pois essa é a missão da imprensa, esses meios empresariais comportam-se como um feroz partido da oposição.
.
* Teólogo brasileiro e o principal mentor da Teologia de Libertação.
**Tradução do castelhano da responsabilidade do Alpendre da Lua, a partir do texto da revista Rebelion.

Sem comentários: