terça-feira, 19 de abril de 2011

Um Poema ao Acaso: fmi - douro tinto - Miguel Pires Cabral


fmi - douro

Cansa-me esta treta ou espécie de cegueira.
Depois a merda é sempre a mesma, quiçá
uma sigla com peso a mais; [mais ainda que
a cotação «rating» ou seu real significado].

Desligo a tv [sem som há mais de 3 horas]
e centro-me na batalha do dia que hoje foi.
Não trago nada de novo para vos contar
caros amigos, o sentido é sempre o mesmo,

e o espírito esse, torna-se repetitivo. Não julgo
que me deva deteriorar por determinadas
interacções sócio-económicas das quais padeço.
Aliás, tenho uma espécie de índole difícil

que ainda assim, por aqui anda tão perdida:
quanto a dos outros que se perdem – pelo
caminho – para me ler. Cigarros e um vinho
tinto [douro superior] é tudo quanto tenho

para vos oferecer meus caros «devedores»,
para que a morte nos separe de uma forma
mais simpática, pode ser?
Miguel Pires Cabral
http://barbituricodaalma.blogspot.com/2011/04/douro-tinto.html