quinta-feira, 18 de abril de 2013

Poema: In memoriam (a Miguel Portas) - por maria azenha

Maria Azenha - "In Memoriam" (a Miguel Portas)
*
In memoriam

Como uma cega que lesse Braille
recordo o teu sorriso com os olhos aguados 
Subo as escadas do vento 
e vou ter contigo às flores da claridade

Repousam os lírios da europa
no aquário dos teus olhos;
Há todo um mar azul com tanta luz 
e tanto sol nos teus ombros de homem.

Só quero ter esta esperança:
que continuas com outros nomes
e o olhar assombrado de criança. 

maria azenha
2012-04-29

Nota: Ignoremos por instantes a beleza do entrelaçado das palavras escritas por Maria Azenha, em justa e sincera homenagem, e a trama delicada e terna do retrato de corpo inteiro do malogrado militante de esquerda, que foi Miguel Portas. Detenhamos-nos, tal como a autora pretende, na nobreza deste político, que argumentava com inteligência, sem nunca recorrer o estereótipo do histriónico espetáculo discursivo circense. Morreu como sempre viveu, sempre olhando o mundo com “o olhar assombrado de criança”.  

Maria Azenha colabora neste blogue, publicando-se um poema seu, às quintas-feiras.