domingo, 29 de junho de 2014

Redação*


“Eu gosto muito da minha escola. As carteiras estão quase todas vazias e a minha escola vai fechar. A professora disse que iam fazer aqui uma casa mortuária porque há mais mortos que meninos. Eu não gosto de mortos, só nos filmes e nos desenhos animados. Eu e os outros três meninos vamos para uma escola nova chamada agrupamento escolar que tem um autocarro que começa a dar volta ao concelho às sete da manhã para apanhar todos os meninos do tal agrupamento. É como quando se recolhiam as cabras para a vezeira ir pr’ó monte, disse a minha avó que só fala tipo antigamente. Eu não me importo. Depois durmo no agrupamento. Quando o agrupamento tiver também só três ou quatro meninos, o autocarro leva-nos para outro agrupamento onde estaremos quatro dias da semana em camaratas porque é muito longe para vir a casa. Quando for grande, o agrupamento já deve ser fora de Portugal como o agrupamento onde estão os meus pais e quase todos os adultos da minha terra. Chamam-se emigrantes e os nossos governantes dizem que é bom emigrar. Porque é que os nossos governantes não saem do agrupamento deles para emigrar? Conheciam terras novas, outras culturas com internet, outros governantes fixes e assim. Pronto.”

* In artigo de opinião "Decadência" da autoria do geógrafo Álvaro Domingues

Sem comentários: