terça-feira, 10 de junho de 2014

Governo grego remodelado após derrota nas eleições europeias


O primeiro-ministro conservador grego Antonis Samaras remodelou hoje o seu governo de coligação, com a pasta das Finanças a ser atribuída ao professor e economista Gikas Hardouvelis, informou um porta-voz do executivo.
A decisão surge a meio do mandato de quatro anos da atual coligação, liderada pela Nova Democracia (ND) de Samaras e que também integra o Partido Socialista Pan-Helénico (Pasok), do vice-primeiro-ministro e chefe da diplomacia Evangelos Venizelos, que reforça o seu peso no executivo.
Nas eleições europeias de maio, e pela primeira vez, a ND foi derrotada pelo partido da esquerda radical Syriza, que obteve mais três por cento de votos e exigiu de imediato legislativas antecipadas.

***«»***
Na Grécia, tal como em Portugal, na Espanha e na França, o poder político perdeu a base social de apoio, não retirando, todavia, desta clara evidência, as respetivas conclusões, que seriam, naturalmente, a demissão do governo e a convocação de eleições legislativas. Perante a hecatombe das eleições europeias, os governos destes quatro países, invocando formalismos falaciosos, que lhes justifiquem a legitimidade governativa, não se demitem, dando assim continuidade à sua servil fidelidade ao diretório de Berlim/Bruxelas, com quem firmaram compromissos, que um dia, para o espanto das gentes, virão à à luz do dia. 
Mas não é apenas através da perspetiva política que a realidade deve ser avaliada. O que se passa na Grécia, onde está a ser aplicada uma política criminosa de terrorismo financeiro, que está a provocar fraturas sociais gravíssimas, que os órgãos de comunicação social omitem, é a prova provada de que a intenção inicial proclamada não é salvar a Grécia, mas sim salvar o capitalismo financeiro europeu, salvando o euro e os bancos. Os índices macroeconómicos da Grécia são aterradores. Desde a intervenção da troika, o país já perdeu vinte e cinco por cento da sua riqueza e a dívida soberana já atinge um valor astronómico (176% do PIB). Nos arrabaldes das grandes cidades e nas cidades do interior, as populações vivem num cenário dantesto de miséria e de degradação, com a fome a vitimar crianças e idosos, e onde os serviços de saúde entraram em rutura.
É para a Grécia e não para a Irlanda, que Portugal deverá olhar, pois é no que está a acontecer naquele país que poderemos antecipar o cenário do que está reservado para o povo português.