quinta-feira, 1 de maio de 2014

Dívidas: Salários em atraso sobem 66% para 36,5 milhões


Os salários em atraso, registados em 2013, atingiram os 36,5 milhões de euros, um aumento de mais de 66% quando comparado com o ano anterior. O subsídio de Natal foi a prestação social que maior aumento de incumprimento registou, sendo o setor do vestuário e confeção o que mais salários deixou de pagar. Os dados, da Autoridade para as Condições do Trabalho, são revelados hoje pelo jornal i. … Mas, tal como revela o jornal i, se se comparar o valor do ano passado com o de 2011, a subida é de 91%.
***«»***
O atual governo demitiu-se completamente de fazer cumprir o principal vínculo de uma relação laboral – o pagamento do salário justo ao trabalhador, que naquela relação, é o elo mais fraco da cadeia. Compete ao Estado acautelar esta fragilidade, o que não está a ser feito. O governo apenas anda preocupado com os compromissos internacionais, mesmo que, para os satisfazer, tenha de destruir o país.
Parte daqueles incumprimentos salariais resulta da situação recessiva, que o país vive, e que incide nas micro e pequenas empresas, que viram subitamente, devido à queda do consumo, a sua liquidez diminuir. Mas, noutros casos, o recurso ao não pagamento dos salários obedece a uma deliberada e danosa estratégia de gestão, que visa, à custa dos trabalhadores, aumentar os lucros da atividade.
Estamos perante mais um sucesso deste governo, que orgulhosamente afirma que o país está bem, quando as pessoas estão mal.