quinta-feira, 8 de maio de 2014

Assis remete alianças com PSD para depois das legislativas


«O cabeça de lista do PS às europeias, Francisco Assis, defendeu hoje que "este não é o momento" para determinar uma eventual política de alianças com o PSD, considerando que é preciso "esperar pelos resultados das legislativas".»

***«»***
O leitor já fica a saber. A hipótese de o PS de António José Seguro vir a fazer uma aliança, depois das eleições de 25 de Maio, com o partido que, agora, tanto critica, o PSD de Passos Coelho, acusando-o de ter arruinado o país (o que é verdade), não foi ainda descartada, o que revela da parte do PS uma grande incongruência entre o que afirma, para caçar votos, e o que deseja fazer, para se enquadrar no pensamento dominante do neoliberalismo europeu, seguindo assim o exemplo pouco dignificante do PS francês e do SPD alemão (da sua família política). 
É devido a este tipo de comportamento grosseiro e pouco sério, de prometer o céu e depois criar o inferno, que os portugueses acreditam cada vez menos nos políticos. E têm razão. Durante estes quarenta anos de democracia, o PS e o PSD foram cúmplices de uma mesma política, orientada para o benefício da classe dominante. Os resultados estão à vista e os seus dirigentes bem podem limpar as mãos (cheias de merda) à parede.
Por isso, o leitor que está a ler estas linhas já fica a saber que, se votar num daqueles partidos (o PS ou o PSD), é também cúmplice de uma política que irá empobrecer ainda mais o nosso país. Depois não venha para aqui queixar-se.