domingo, 12 de junho de 2011

Alunos abandonam escola obrigatória por dificuldades financeiras


Um pouco por todo o país há alunos a abandonar a escola por causa das dificuldades financeiras da família. Uns fazem-no para ajudar os pais, outros simplesmente porque deixaram de ter dinheiro para estudar.
Actualmente, os alunos só precisam de ter o 9º ano ou 15 anos para poderem abandonar a escola. A partir de Setembro, o ensino obrigatório estende-se a 12 anos. Este domingo comemora-se o Dia Mundial Contra o Trabalho Infantil.
PÚBLICO
***
Este é o corolário lógico da crise? Sem dúvida. Mas a crise não é nenhuma entidade abstracta e difusa, que desaba aleatoriamente sobre as sociedades, como, subliminarmente, os políticos pretendem fazer crer. Ela tem rostos e tem culpados, a nível nacional e internacional. O abandono escolar irá aumentar em flecha nos próximos anos, tornando-se um caso banal, que deixará de ser manchete nos jornais. Mas não será por não ser noticiado, que ele não deixará de existir e de agravar o clima de ruptura social. A longo prazo vai ter consequências gravíssimas, ao nível da exclusão social e do desemprego. A curto prazo será a marginalidade a face mais visível deste pesadelo social. É mais uma agressão à cidadania e à sociedade. E a sociedade, tal como ambiente, acaba por vingar-se quando é agredida.

Sem comentários: