domingo, 15 de dezembro de 2013

País em regressão civilizacional e cultural, diz Jerónimo de Sousa


Líder do PCP citou “desmantelamento da Direcção Geral do Património Cultural” e “as limitações impostas à Direcção Geral das Artes” para dizer que há “uma clara intenção de retirada total do Estado nas áreas da cultura"

A política do atual Governo é de regressão económica e social mas também “civilizacional e cultural”, afirmou hoje em Lisboa o secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa.
“Na cultura a situação é hoje de profunda crise e de abandono de qualquer perspetiva real da sua democratização. Olhe-se para onde se olhar é a política de destruição que impera”, disse o responsável numa sessão evocativa de Álvaro Cunhal, antigo secretário-geral do partido, que morreu em 2005.
No ano em que faria 100 anos se fosse vivo, porque nasceu a 10 de novembro de 1913, o PCP tem organizado iniciativas para o lembrar, uma delas hoje ao juntar intelectuais e artistas para debater precisamente o tema “Álvaro Cunhal, o intelectual e o artista”, no âmbito da qual se falou da sua faceta de escritor, pintor, músico e até tradutor.
Ao falar no encerramento do encontro Jerónimo de Sousa lembrou o artista e pensador e falou da cultura e da forma como é “maltratada pela política da direita”, que teme “o seu imenso potencial de criação, liberdade e transformação”.
É isso, acrescentou, que tem feito o atual Governo, nomeadamente na educação, na informação e comunicação, na ciência, na arte contemporânea, nas culturas artísticas ou no património.
Há, disse Jerónimo de Sousa, “uma ofensiva destruidora” alargada aos serviços públicos da área da cultura, com “cortes brutais” nos Orçamentos de Estado, desmantelando-se e desqualificando-se serviços, que são centralizados e depois requalificados “para o despedimento”. É, acusou, “uma operação de aglomeração para ser mais fácil destruir”.
Jerónimo de Sousa citou depois o “desmantelamento da Direção Geral do Património Cultural” e “as limitações impostas à Direção Geral das Artes” para dizer que há “uma clara intenção de retirada total do Estado nas áreas da cultura, “o que também pode ser entendido como uma censura financeira às artes e à cultura”.
E o resultado desta política está exemplificado nos últimos dados europeus divulgados (Eurobarómetro), disse o responsável: “O que se vê é que estamos a andar para trás e a divergir com outros povos europeu. Estamos no fim da lista”, disse.
“É este o rumo de uma política também de desastre cultural que está em curso. Uma política que não só destrói o que existe como inviabiliza a criação do novo”, disse Jerónimo de Sousa, concluindo que “é tempo de pôr fim” ao “rumo de desastre”, razão que tem levado o partido a pedir com insistência a demissão do Governo e a realização de eleições antecipadas.
*Este artigo foi escrito ao abrigo do novo acordo ortográfico aplicado pela Agência Lusa

***«»***
A direita sempre se deu mal com a Cultura. Nutre por ela um ódio de morte. Talvez porque a Cultura seja a sua antítese, ao rejeitar o conservadorismo bacoco e provinciano  e tentando, por outro lado, progredir sempre pelo caminho ousado da descoberta da modernidade, em plena liberdade.
Em Portugal, este governo de direita (o governo mais reacionário do regime democrático), não podendo eliminá-la por decreto, nem puxar por uma pistola, quando dela ouve falar, como dizia o ministro da Propaganda de Hitler, Joseph Goebbels, procura asfixiá-la financeiramente e desestruturá-la organicamente, ao nível do aparelho de Estado. O que vem dar ao mesmo.
A Cultura é a expressão da alma de um povo, ao qual está intimamente ligada. Querer liquidá-la, é querer matar esse mesmo povo.
AC