terça-feira, 4 de novembro de 2014

FMI autocritica-se por ineficácia a responder à crise


A auditoria considera que as soluções para o relançamento da atividade economica se centraram demasiado nas medidas de austeridade e no controlo orçamental dos países mais afetados. Os auditores defendem que as medidas tomadas pelo FMI não foram eficazes no relançamento da economia e contribuiram para a volatibilidade dos fluxos de capital nos mercados emergentes.
***«»***

Eu, que não sou economista, antecipei-me três anos às conclusões atuais dos peritos do FMI, já que, neste blogue, tenho andado a defender, e desde 2011, que as políticas baseadas na austeridade e doentiamente fixadas na obsessão do défice orçamental não eram as mais acertadas para resolver o problema da dívida soberana excessiva, uma vez que penso que o problema está na economia e não nas finanças. Os empréstimos da troika, com melhores condições de reembolso, deveriam ter sido aplicados de uma forma controlada e muito rigorosa na reindustrialização do país.
No mínimo, eu devia ser promovido a ministro das Finanças.

Sem comentários: