sábado, 22 de junho de 2013

Universidade de Coimbra foi hoje reconhecida como Património Mundial da UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura),

Fotografia do jornal PÚBLICO

O Comité do Património Mundial, reunido em Phnom Penh, no Camboja, justifica a sua classificação num texto publicado no site da UNESCO que se transcreve:

“Situada numa colina sobranceira à cidade, a Universidade de Coimbra, com as suas faculdades, cresceu e evoluiu no interior da velha cidade durante mais de sete séculos.
Os edifícios ilustres da universidade incluem a Igreja de Santa Cruz, do século XII, e algumas faculdades do século XVI, o Paço Real da Alcáçova, que albergou a Universidade desde 1537, a Biblioteca Joanina com a sua rica decoração barroca, o Jardim Botânico do século XVIII e a Imprensa da Universidade, bem como a ‘Cidade Universitária’ criada durante os anos 1940.
Os edifícios da universidade tornaram-se uma referência no desenvolvimento de outras instituições de estudos superiores no mundo falante de português, no qual exerceu grande influência quer no ensino, quer na literatura.
Coimbra é um exemplo notável de uma cidade universitária integrada com uma tipologia urbana específica, com as suas cerimónias próprias e tradições culturais que foram sendo mantidas vivas ao longo do tempo.”
Ver notícia do jornal PÚBLICO
***«»***
Como português, sinto-me orgulhoso com esta honrosa distinção da UNESCO, ao classificar a Universidade de Coimbra como Património Mundial, destacando-lhe, como atributos, a perspetiva material - o seu histórico e harmoniosos conjunto arquitetónico, bem integrado na malha da cidade - e a perspetiva imaterial - a sua importância na difusão da língua portuguesa e da respetiva cultura, através do mundo, até onde chegou o génio da expansão das Descobertas.
A Universidade de Coimbra, que já fazia parte da nossa identidade coletiva, passa a ser agora um dos seus mais importantes símbolos.
Portugal é um dos países do mundo mais respeitados, como se constatou em Phom Penh, no Cambodja, com os delegados dos países do Comité do Património Mundial a contrariarem o parecer do ICOMOS, órgão consultivo da UNESCO, que aconselhava a adiar a decisão. As palavras do representante da India e o da Tailândia foram comoventes e altamente gratificantes para com Portugal. Saibamos nós, governantes e governados, neste momento difícil, respeitá-lo também.
Pela Universidade de Coimbra passaram sucessivas gerações das elites culturais e políticas de Portugal, que foram moldando a nossa sociedade, no seu melhor e no seu pior. Muito dos que os portugueses são hoje, devem-no à Universidade de Coimbra, que formou aquelas elites. Por isso, esta distinção pertence a todos os portugueses.

Sem comentários: