quarta-feira, 14 de julho de 2010

Um Poema ao Acaso: Mortalidades


Mortalidades

onde está a memória do teu rosto
que lhe quero tocar
os olhos atrás das mãos
e as mãos atrás dos dias
serás outro já
fiz-te outro
quando?
sei de ti como se fosses ar
espero-te com mãos de oleiro
certo é que chegas
em mãos ou em sonhos
proeza semi-mortal
Ana Saraiva

Sem comentários: