quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Notas do meu rodapé: Paulo Portas é um verdadeiro submarino...

Amabilidade da Dalia Faceira
Claro que Paulo Portas é muito mais coisas. Ao longo da sua vida pública foi vestindo vários fatos, inclusivamente o de jovem agricultor ribatejano, com botas e boné a preceito, ao mesmo tempo que foi encenando várias personagens, conforme lhe convinha politicamente. Jornalista irrequieto, que pôs o PSD de Cavaco Silva em polvorosa, transferiu-se para a política activa, disputando a Santana Lopes o papel do enfant terrible. Na oposição, foi sempre um aguerrido contestatário, e no governo, vestindo fatos às riscas de marca, sempre se mostrou impecavelmente manso. É um verdadeiro camaleão.
A escolha, pela qual se bateu, de sobraçar a pasta dos Negócios Estrangeiros do actual governo não foi inocente. Permite-lhe apoiar de longe e discretamente a política geral do governo, e de se remeter ao silêncio, quando são anunciadas as medidas mais impopulares. Ele sabe que Passos Coelho e os os seus principais ministros vão ser queimados em lume brando, e ele não quer ficar chamuscado. Continua à espera da sua vez, quer para si, quer para o seu CDS. Com o agravamento da crise, até pode muito bem acontecer que, com um pouco de sorte e de fortuna, ele possa vir a obter aquilo que não conseguiu alcançar através dos votos. Nos seus cálculos, em 2012, que é quando as coisas vão doer mais, Passos Coelho e o PSD vão andar nas ruas de amargura, com os eleitores e muitos militantes desiludidos a começarem a desertar. A uns e a outros, Paulo Portas estenderá a passadeira vermelha do Palácio do Largo do Caldas. Quando a situação amadurecer e a oportunidade esperada se declarar, ele irá escolher no armário o seu melhor punhal para o espetar nas costas de Passos Coelho, que, neste momento, está mais apostado em querer encostar o PS mais à esquerda, colando-o ao Partido Comunista e ao Bloco de Esquerda. Paulo Portas é um verdadeiro submarino, que, de momento, raramente vem à superfície.