quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

Costa diz que próximo Governo deve ser de maioria


O líder socialista insistiu hoje [ontem] que o melhor para o país é uma maioria do PS nas legislativas de 2015, considerando que o próximo Governo deve ser "uma escolha direta dos portugueses" e não resultar de um "jogo partidário".
Aludindo à sua intervenção na terça-feira, num jantar com o grupo parlamentar do PS, António Costa disse que se terá expressado mal ou sido "mal compreendido" sobre a formula política do Governo do Bloco Central, reiterando que apenas elogiou o exemplo de Mário Soares "e não propriamente essa fórmula de Governo em concreto".
"O que eu quis sublinhar é que o bem mais precioso que o país tem perdido ao longo destes anos é a confiança e que não há nenhum país que seja capaz de vencer uma crise, de superar as suas dificuldades sem recuperar a confiança e dei o exemplo do doutor Mário Soares e da forma como liderou esse Governo, tendo sido capaz de incutir ao conjunto do país, confiança", disse.

***«»***
António Costa dá uma na pata e outra na ferradura, embora o cavalo esteja quieto. Diz uma coisa hoje e outra amanhã; Guina para um lado, aos dias pares, e guina para o outro, aos dias ímpares. Avança e recua com uma grande facilidade, fingindo que está a andar para a frente. Há dias foi buscar à História, a propósito da confiança e da falta dela, a epopeia dos Descobrimentos e o processo de descolonização, mas esqueceu-se de referir Alcácer Quibir, cuja catastrófica visão da sua própria repetição, nos tempos próximos, se afigura cada vez mais provável, e isto sem que ele diga aos portugueses a verdade em relação à situação da astronómica dívida pública, que será impossível de pagar, se, entretanto, não se avançar para a sua profunda reestruturação. 
Para fugir a esta questão, que é uma questão central da atual política portuguesa, António Costa refugia-se num discurso oco e vazio, sem propostas concretas, mas intencionalmente empolgante, à custa de uma retórica bem elaborada, capaz de enganar os mais incautos. A não ser no estilo e na novidade, António Costa não acrescenta nada de positivo, que nos faça acreditar numa qualquer mudança estrutural de fundo, se ele vier a ser primeiro-ministro.

Sem comentários: