quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

Poema: Inexplicavelmente - por maria azenha


Inexplicavelmente

A criança ergue o olhar à altura dos passos
de alguém que viaja.
Sentada no solo rente ao céu do chão
está viva por uma palavra misteriosa.
Ali, pregada em terra, olha para que a sigam
ou a ceguem,
com uma rosa na mão.

Inexplicavelmente tornou-se uma deusa
na bíblia dos náufragos.

maria azenha