sábado, 12 de janeiro de 2013

Para avivar a memória dos distraídos!...


«A moeda única é um projecto ao serviço de um directório de grandes potências e de consolidação do poder das grandes transnacionais, na guerra com as economias americanas e asiáticas, por uma nova divisão internacional do trabalho e pela partilha dos mercados mundiais.
A moeda única é um projecto político que conduzirá a choques e a pressões a favor da construção de uma Europa federal, ao congelamento de salários, à liquidação de direitos, ao desmantelamento da segurança social e à desresponsabilização crescente das funções sociais do Estado.»
Carlos Carvalhas, Secretário-geral do PCP
«Interpelação do PCP sobre a Moeda Única», em 1997
***«»***
Palavras acertadas estas, as de Carlos Carvalhas. E agora mais verdadeiras do que nunca! Fazendo o papel daquela criança que veste o casaco do pai, os portugueses adotaram uma moeda claramente desajustada em relação ao valor e ao perfil da sua economia, e que fora desenhada para servir outros senhores. Além das entorses governativas, provocadas sucessivamente pelos governos do PSD e pelo PS, que se alternaram no poder, e do atavismo de uma classe empresarial ignorante e convencida, a quem sempre faltou visão estratégica, a entrada na moeda única foi a principal causa da atual crise económica e financeira do país. O euro veio a revelar-se o maior erro estratégico e estrutural de Portugal, na sua História Moderna e Contemporânea. Acabou por ser tão nefasta para a economia portuguesa, como foi a da opção pela Guerra Colonial, feita por Salazar.