quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

O Gaspar é um brincalhão!...

Imagem retirada do Ponte Europa.
O governo só compara o que lhe interessa!...

10 comentários:

Sónia M. disse...

Não esquecer, Alexandre, que o custo de vida nesses países, é também muito superior ao de Portugal.
Embora não deixe de ser uma comparação interessante.
Bj Sónia

Alexandre de Castro disse...

Sónia:
O índice em ciência económica que melhor reflete a relação entre o poder aquisitivo da moeda e o custo de vida de cada país é o cálculo do Produto Interno Bruto (PIB) per capita, anual, em Paridade de Poder de Compra (PPC). É um índice que resulta de laboriosos e complexos cálculos sobre múltiplas informações estatísticas, algumas nem sempre fidedignas. Se se pretender ordenar os países por ordem da sua riqueza produzida, é preferível olhar apenas para o PIB total de cada país ou para o seu PIB per capita. Os economistas utilizam o produto e não o rendimento (que seria mais apropriado) para, através do PIB per capita em PPC, calcularem o nível de poder de compra de um país em relação aos preços médios praticados. O PIB e o RNB (Rendimento Nacional Bruto) não apresentam grandes diferenças e a recolha de informações para o cálculo do PIB é mais fácil.
Existem três organizações que elaboram anualmente o cálculo do PIB per capita em PPC: O Fundo Monetároio Internacional, o Banco Mundial e a CIA World Factbook. O que apresento no comentário seguinte é o do FMI, respeitante a 2010, considerado o mais rigoroso e fidedigno. Consultando-o, poderá verificar que a sua observação não é totalmente verdadeira, já que Portugal ocupa uma posição humilhante (40ª) entre os países europeus. Abaixo dele, apenas alguns países do leste europeu, que entraram tardiamente para a UE.
Por isso, a mensagem implícita no quadro que relaciona o Salário Mínimo Nacional de vários países da UE com a taxa de IVA de 23%, que o Gaspar diz ser a regra nesses países, traduz perfeitamente o brutal desnivelamento entre entre os salários e os preços praticados em Portugal. Só para lhe dar um exemplo. A Espanha tem um PIB per capita em PPC de 29,261 dólares (26ª posição) e Portugal tem 23,113 dórares (40ª posição), o que reflete o preço mais barato da energia elétrica e da gasolina (entre outros produtos) naquele país.
É evidente que a Sónia poderá estar sugestionada por aqueles bens não essenciais que, devido a uma maior procura de uma população endinheirada, como é a da Holanda, atingem um preço elevado em relação ao seu preço em Portugal.Mas isso não reflete a realidade do acesso aos bens essenciais.
Foi longa a explicação, mas julgo que foi necessária, pois muita gente, em Portugal, ao equacionar o assunto da mesma forma que a Sónia o fez, até deduz que os portugueses (os da classe média baixa) têm de fazer sacrifícios, pois estavam a viver acima das suas posssibilidades, o que é um raciocínio perverso e alarve.
Obrigado pelo seu comentário e escreva sempre, pois tenho todo o prazer em receber os seus contributos pessoais e as suas regulares visitas a este blogue.
Bjs. Alexandre

Alexandre de Castro disse...

Lista de países por PIB (Paridade do Poder de Compra) per capita1 (FMI-2010)
1 Catar 88,232
2 Luxemburgo 80,304
3 Singapura 57,238
4 Noruega 52,238
5 Brunei 47,200
6 Estados Unidos 47,123
— Hong Kong 45,277
7 Suíça 41,765
8 Países Baixos 40,777
9 Austrália 39,692
10 Áustria 39,454
11 Canadá 39,033
12 Irlanda 38,685
13 Kuwait 38,293
14 Suécia 37,775
15 Emirados Árabes Unidos 36,973
16 Dinamarca 36,764
17 Islândia 36,681
18 Bélgica 36,274
19 Alemanha 35,930
20 Reino Unido 35,053
21 Taiwan 34,743
22 Finlândia 34,401
23 França 34,092
24 Japão 33,828
25 Coreia do Sul 29,791
26 Espanha 29,651
27 Itália 29,418
28 Israel 29,404
29 Grécia 28,833
30 Chipre 28,045
31 Eslovênia 27,899
32 Nova Zelândia 27,460
33 Bahrein 26,807
34 Omã 26,197
35 Bahamas 25,884
36 República Checa 24,987
37 Seychelles 24,837
38 Malta 24,081
39 Arábia Saudita 23,742
40 Portugal 23,113
41 Barbados 22,296
42 Eslováquia 22,267
43 Trinidad e Tobago 20,137
44 Polónia 18,837
45 Hungria 18,815
46 Guiné Equatorial 18,387
47 Estónia 18,274
48 Croácia 17,608
49 Lituânia 16,997
50 Antígua e Barbuda 16,566
51 Rússia 15,807
52 Argentina 15,603
53 Botswana 15,449
54 Líbano 15,331
55 Chile 14,982
56 Líbia 14,878
57 Gabão 14,865
58 Malásia 14,603
59 Uruguai 14,342
60 Letônia 14,330
61 México 14,266
62 Bielorrússia 13,864
63 Turquia 13,392
64 Maurícia 13,214
65 São Cristóvão e Nevis 12,976
66 Cazaquistão 12,401
67 Panamá 12,397
68 Bulgária 12,052
69 Venezuela 11,889
70 Roménia 11,766
71 Brasil 11,289
72 Irã 11,024
73 Granada 10,881
74 Sérvia 10,808
75 Costa Rica 10,732
— Mundo[4] 10,725
76 África do Sul 10,505
77 Dominica 10,456
78 Montenegro 10,432
79 Santa Lúcia 10,227
80 São Vicente e Granadinas 10,261
81 Azerbaijão 9,953
82 Tunísia 9,488
83 Colômbia 9,445
84 Macedónia 9,350
85 Peru 9,281
86 Suriname 8,955
87 Jamaica 8,811
88 República Dominicana 8,647
89 Tailândia 8,643
90 Equador 7,951
91 Belize 7,894
92 Bósnia e Herzegovina 7,751
93 China 7,518
94 El Salvador 7,442
95 Albânia 7,381
96 Tonga 7,134
97 Argélia 7,103
98 Namíbia 6,945
99 Guiana 6,893
100 Ucrânia 6,665
101 Turquemenistão 6,597
102 Angola 6,412
103 Egito 6,367
104 Kiribati 6,181
105 Suazilândia 5,884
106 Samoa 5,731
107 Jordânia 5,658
108 Butão 5,533
109 Maldivas 5,483
110 Arménia 5,178
111 Síria 5,108
112 Sri Lanka 5,103
113 Geórgia 5,057
114 Paraguai 4,915
115 Guatemala 4,871
116 Vanuatu 4,807
117 Marrocos 4,773
118 Bolívia 4,584
119 República do Congo 4,487
120 Fiji 4,450
121 Honduras 4,404
122 Indonésia 4,380
123 Mongólia 3,727
124 Filipinas 3,725
125 Iraque 3,599
126 Cabo Verde 3,562
127 Índia 3,290
128 Vietname 3,123
129 Uzbequistão 3,022
130 Ilhas Salomão 2,974
131 Nicarágua 2,969
132 Moldávia 2,959
133 Paquistão 2,789
134 Timor-Leste 2,663
135 Iémen/Iêmen 2,595
136 Djibouti 2,553
137 Sudão 2,466
138 Laos 2,435
140 Nigéria 2,398
141 Papua-Nova Guiné 2,302
142 Camarões 2,165
143 Quirguistão 2,162
144 Mauritânia 2,099
145 Camboja 2,086
146 Guiné-Bissau 1,972
147 Tadjiquistão 1,907
148 São Tomé e Príncipe 1,879
149 Senegal 1,814
150 Quênia 1,784
Por falta de capacidade, não é possível imcluir os últimos 30 países da lista.

Alexandre de Castro disse...

Correcção do primeiro período do meu primeiro comentário:

O índice em ciência económica que melhor reflete a relação entre o poder aquisitivo da moeda e o custo de vida de cada país é o fornecido pelo cálculo do Produto Interno Bruto (PIB) per capita, anual, em Paridade de Poder de Compra (PPC).

Sónia M. disse...

Primeiro que tudo, Alexandre, devo dizer que no meu comentário, referia-me apenas a bens essenciais ( que entendo por alimentação/habitação). Poderia aqui oferecer-lhe uma lista bastante extensa de produtos, que duplicam o seu preço em relação a Portugal, chegando em alguns casos a triplicar.
É certo que o ordenado minimo é bastante mais elevado, sendo que a maioria das pessoas, aufere um ordenado superior ao minimo, resultando dai um maior poder de compra. Em relação aos bens não essenciais, sendo que a procura é muita, a oferta também. O que faz com que o seu custo seja na maioria das vezes mais baixo que em Portugal. Claro que este meu cometário limita-se apenas ao país onde resido atualmente, o único onde posso fazer algum tipo de comparação. Mais precisamente a zona do país onde vivo. Embora seja um país pequeno, está bastante dividido. Esta realidade, talvez não se encontre noutras partes do mesmo país. De maneira nenhuma concordo com esse raciocínio sobre os sacrifícios dos portugueses. É como diz perverso. Poderia ainda comparar os benefícios que atualmente tenho em relação à saúde , com os que tinha em Portugal...mas isso já daria um comentário muito longo! Em nenhum momento o meu comentário se baseia em nenhum calculo complexo, mas sim no dia a dia de uma família portuguesa, a viver num dos países mencionados acima. O facto de Portugal ocupar um lugar tão vergonhoso nesta lista, é apenas o reflexo das más governanças que temos tido, o Gaspar não vai querer comparar isto, não é? E por ultimo quero dizer-lhe que adoro não ter razão...as coisas que eu aprendo por aqui!!!

Alexandre de Castro disse...

Quando a Sónia diz que os bens de consumo, nos Países Baixos, podem atingir o dobro do preço dos de Portugal tem de tomar em consideração que os salários são, em média, 2,9 vezes superiores. O diferencial entre estas duas percentagens aparece refletida no PIB per capita em Paridade de Poder de Compra, que acaba por medir o poder de compra, que na Holanda é superior em 75% em relação ao de Portugal. Resumindo: O diferencial entre os salários praticados nos Países Baixos e em Portugal é superior ao diferencial entre os preços para os mesmo produtos nos dois países. Há pois um excedente favorável aos holandeses, que lhes permite um maior poder de compra. E eu, no meu comentário, apenas pretendi demonstrar, através de um indicador econométrico, o PIB per capita em PPC, que a afirmação da Sónia, no seu primeiro comentário, não era completamente exata, e que poderia comprometer, acrescento agora, o efeito da mensagem subjacente ao quadro comparativo dos salários mínimos. E, ao fim e ao cabo, o importante é demonstrar que Portugal se encontra numa posição vergonhosa em relação à qualidade de vida dos seus cidadãos, seja qual for a perspectiva da análise, sendo, ainda por cima, agravada pela profunda desigualdade na distribuição dos sacrifícios impostos, como se afirma no último post que publiquei .
Proximamente, irei desenvolver este tema no blogue, alinhando estes conceitos com outros indicadores, que tornem explícita a incapacidade de Portugal de poder suportar estas medidas de austeridade. É um absurdo pretender reduzir o défice orçamental para os 3% num prazo tão curto (2013). É a mesma coisa que exigirem-me que eu corra os 100 metros em 10 segundos, o que apenas está ao alcance dos grandes campeões.
Bjs. Alexandre

Sónia M. disse...

Agradeço de verdade todo este esclarecimento. Contra factos não há argumentos! Continuarei a seguir com atenção todo este assunto no seu blog.
Bjs Sónia

Alexandre de Castro disse...

Sónia:
Eu é que agradeço a sua colaboração neste blogue, que espero ver continuada. Destaco aqui o seu elevado sentido de humildade e de integridade (típica do povo alentejano), qualidades que vão faltando por esse mundo fora.
Também lhe quero dizer que nestas úteis discussões não há vencidos nem vencedores. Apenas podem existir esclarecimentos mútuos, que acrescentam valor à nossa aprendizagem, que nunca se completa.
Por outro lado, a dúvida é o melhor caminho para chegar a algumas verdades, e ninguém pode arvorar-se à condição de possuidor das verdades absolutas.
Até breve.
Bjs. Alexandre

Antonio Esperança Pereira disse...

Li atentamente a questão em debate. Realmente tudo isto que se está a passar está muito mal explicado...os portugueses é que são os despesistas, nesta esbanjadora UE... cheira mais a roubo organizado desculpem lá!!!
Deixo um link direto do meu blog para comparar preços de combustíveis.
Sem palavras.
Abraços

Antonio Esperança Pereira disse...

O link é este, que não ficou no comentário. Cliquem sff: http://www.minhapoesia.net/#!/2011/12/portugal-combustiveis-vergonha.html