sábado, 28 de janeiro de 2012

Micro contos: Sem título

Farta de toda aquela homogeneidade, despiu-se e caminhou nua pelas ruas da cidade. Entre olhares de censura e de espanto, um homem de figura esguia ofereceu-lhe um jornal e um olhar reconfortante. Sorrindo, pegou no papel tisnado por notícias feias e fez um lindo vestido. Deu um beijo na testa do homem e este começou a chorar. Ela secou-lhe as lágrimas com uma folha que dizia que no dia seguinte o sol iria brilhar num céu sem nuvens.
Micro Contos

4 comentários:

olimpio pinto disse...

Li no blog da Sónia M.
................
Sentir, sensibilidade...Inconformismo...Poesia... Coração...
Expoente de excepção!

Sónia M. disse...

Alexandre: As coincidências não existem! Existe sim, o mesmo sentir, quando se leem as mesmas palavras!
Este Micro conto é maravilhoso!
Bjs. Sónia

Alexandre de Castro disse...

Sónia: Coincidência na escolha, houve, tal como lhe disse na mensagem que coloquei no seu blogue. E ainda bem, que essa coincidência ocorreu, comprovando identidades de preferências literárias. Trata-se, na realidade, de um maravilhoso conto, com uma grande carga de humanismo, ao qual a metáfora escolhida confere uma enorme grandeza.
Sou um apaixonado por este tipo de abordagem literária, que Kafka e Fernando Pessoa (ver etiquetas "Contos literários" e "Fernando Pessoa Ficções"), genialmente engrandeceram. Deste autor anónimo, o dos micro contos (ver etiqueta), já publiquei neste blogue, uns dois contos, que, pelo seu conteúdo e estilo estético, demonstram que a literatura não esgota os seus recursos, permitindo sempre avançar para novas formas de comunicação, ao nível da narrativa.
Bjs. Alexandre

Sónia M. disse...

Apesar de já ser uma espécie de vício "subir" ao seu "Alpendre", para observar o mundo, confesso que ainda não olhei nessa direção! Obrigada pela sugestão.
Bjs
Sónia