terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Daniel Estulin - O GOVERNO, SA e uma visão do teu futuro...

Amabilidade de Joaquim Pereira da Silva
*
Este vídeo também foi enviado pelo Diamantino Silva, e que vinha acompanhado por um texto esclarecedor de João Sequeira, que aqui se publica:

Queridas Amigas e Amigos:
Para os poderes instituídos na Europa e nos EUA tudo o que se diz nesta conferência de Imprensa não passa daquilo a que sobranceiramente chamam de “teoria da conspiração”.A maior parte desses vociferadores da “verdade única” ou do “politicamente correcto” não são estúpidos, nem estão enganados. Apenas se limitam e serem a voz do dono, pois sabem bem os dividendos pessoais que daí tiram.
Não adianta nada discutir com eles. Adianta sim “avisar a malta” como canta a canção antiga, cada vez mais actual. Adianta sim “acordar a malta, que é o que faz falta”.
Como vêem já existem vozes no Parlamento Europeu a explicar o que é óbvio e quem manda de facto no Mundo. Os governos que, descaradamente, já nomeiam à revelia dos eleitores, e as assembleias nacionais que aceitam esses factos consumados, só sabem dizer que tudo isto não passa de “teoria da conspiração” e o que importa é credibilizar os países perante o poder financeiro, pagando os empréstimos a tempo, mas esquecendo que a maior parte desses empréstimos já foram pagos nos juros agiotas impostos. Entretanto os Povos vão empobrecendo “alegremente” à espera que chegue o “salvador da pátria” o messias chamado Hitler, Salazar, Franco, Mussolini, ou um seu filio adepto à ordem do capital financeiro, como o senhor Monti e o grego do Goldman Sachs, que vem “acabar com a malandragem e meter isto na ordem!” se os povos os deixarem.
Os mais novos não sabem como é que os “messias” conseguem esse “milagre”, mas nós os velhos, sabemos, porque já os vimos. Basta matar ou deixar morrer mais uns tantos judeus, árabes, ou ciganos. Hoje é diferente porque nesses grupos muitos se passaram para o outro lado... Hoje é mais fácil identificar alvos sempre actuais: São os pobres e pedintes porque não se lavam, tresandam, incomodam, mendigam, e é um grupo crescente, que não se esgota, com candidaturas sempre prontas na classe média, de onde se desce mais depressa do que se sobe. Basta agir “inteligentemente” nas políticas de saúde, da segurança social e do trabalho. Depois é só esperar que morram!
Já me esquecia que tudo isto não passa de “teoria da conspiração”, para os súbditos apátridas e alguns “xico-espertos”, muitos deles sem se darem conta de que são “os senhores que se seguem”.
Espero que divulguem o anexo.
João Sequeira