quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Notas do meu rodapé: O execrável calibre moral de Manuela Ferreira Leite!...

«Quem tem mais de 70 anos e quer fazer hemodiálise tem de pagar»
A pergunta é feita a António Barreto, outro interveniente no debate, mas a resposta vem da parte da líder do PSD: «[Ana Lourenço pergunta] Não acha abominável que se discuta se alguém que tem 70 anos tem direito à hemodiálise ou não? [Resposta de Ferreira Leite] Tem sempre direito se pagar. O que não é possível é manter-se um Sistema Nacional de Saúde como o nosso, que é bom, gratuito para toda a gente. Para se manter isso, o Sistema Nacional de Saúde vai-se degradar em termos de qualidade de uma forma estrondosa. Então, nem para ricos, nem para pobres. E será inevitável que tratamentos desse estilo, evidentemente que existem, e que as pessoas têm direito a eles, desde que paguem. Fora disso não é possível gratuitamente. O país não produz riqueza para isso e se não produz riqueza para isso degrada-se a qualidade».
TVI 24
***
Manuela Ferreira Leite, numa declaração desastrada, perversa e moralmente inqualificável, confessou em público aquilo que o governo anda a fazer secretamente. Os portugueses estão assim a ser confrontados com a maior monstruosidade do programa do governo, que pretende implementar o "assassinato lento" dos idosos mais pobres do país, restringindo o seu acesso ao Serviço Nacional de Saúde. Negando-lhes a assistência médica, que lhes prolongaria a vida, e esbulhando-os nas pensões de reforma, o que os condenará à morte, o governo diminui os gastos nas rubricas da Saúde e da Segurança Social. Reduzidos a lixo social, considerados marginais numa sociedade regida pela ferocidade fundamentalista das leis do mercado, profundamente fragilizados e sem mecanismos próprios de defesa, os idosos são infamemente ultrajados na sua dignidade de cidadãos, sendo remetidos para a condição de apêndices a abater na execrável engenharia financeira do governo. Eu já escrevi aqui que uma sociedade que não sabe tratar das suas crianças nem dos seus idosos não merece existir. E eu hoje já não sei se o país indiferente e apático, que se chama Portugal, merece existir.
Mas Manuela Ferreira Leite teve pelo menos um mérito, ao afirmar que os direitos têm de ser pagos. Veio dar sustentação ao meu radicalismo crescente, que se extrema cada vez mais, ao ponto de começar a advogar o extermínio de quem pretende eliminar-me fisicamente. É que eu estou a três anos de completar os setenta anos de vida e não aufiro rendimentos para pagar os tratamentos de hemodiálise, caso deles venha a necessitar. Considero que já os paguei durante a minha vida ativa, com o dinheiro dos meus impostos, parte dele desviado para alimentar a corja nojenta que tem esbulhado o país.