terça-feira, 6 de agosto de 2013

VOTAR - por Amadeu Homem


Não há muito tempo, eu defendi o voto em branco - nunca o nulo. Depois disso, mudei de opinião. Devo dizer mesmo, com humildade, que me arrependi. Claro que é possível, racionalmente, imaginar uma situação em que não consigamos rever-nos numa das diversas listas. Mas eu creio que constitui uma certa manifestação de arrogância (que eu já tive) aquela atitude de total e desdenhosa rejeição. É como se estivéssemos a declarar, para nós e para o Universo : "eu sou tão especial e tão inteligente que nenhuma das soluções apresentadas pelos meus Concidadãos me mobiliza". Aliás, as listas que se apresentam serão sempre um espelho da Sociedade que temos. E foi também parcialmente nossa a responsabilidade da falta de qualidade, se é que ela existe. Agora, digam-me: ficar em casa aumenta essa qualidade? Há que votar. Há que, pelo menos, ir à assembleia de voto. E há que ter a coragem de escolher. Nem que seja o menor dos males. É assim que penso hoje.

Amadeu Homem
Professor Catedrático de História da Universidade de Coimbra

***«»***
Votar é um dever cívico, que custou muito a conquistar. Escolher é uma responsabilidade. Escolher bem é uma qualidade.
AC


Adenda: Deixo aqui o comentário sobre esta questão, que publiquei num outro sítio, respondendo a um leitor:

"Se a memória não me atraiçoa, julgo que o Cavaco Silva foi eleito por 21% dos eleitores inscritos, o que ainda vem dar mais força ao seu argumento. Na realidade, quer a abstenção quer o voto branco só vão dar força ao partido vencedor. É uma forma de transferir as escolhas para os outros. É também uma forma descaracterizar, e até assassinar, a democracia. A maturidade de um povo avalia-se pelo seu grau de participação na coisa pública. E, temos de concordar: os portugueses ficaram mal nesta fotografia. E não só os eleitores. Também os eleitos. Ainda ontem, no município onde eu vou ser candidato à Câmara Municipal, a Assembleia Municipal não se realizou por falta de quorum, porque os deputados municipais do PS e do PSD não apareceram. E a reunião da AM destinava-se a discutir um documento importante: o PDM. Com este nível de responsabilidade não vamos lá.
E vou acabar, reformulando a frase da minha entrada aqui: Votar é um dever cívico, que custou muito a conquistar. Escolher é uma responsabilidade. Escolher bem é uma qualidade. E participar é fundamental".