quinta-feira, 8 de agosto de 2013

Poema: Da experiência da cor - maria azenha

óleo sobre tela | © maria azenha, Julho, 2013 - Mar II

Da experiência da cor

fui eu que pedi este amor
sem lhe poder dar um nome
num quarto de água azul 
fechado à chave com fogo 

a linguagem muda das aves
deixou na casa um vocábulo

queria perguntar-lhe os nomes 
mas calo-me

há uma claridade irreal
que ultrapassa os limites da casa

e o meu amor é neve repleta de frutos

agora durante a noite 
sou um barco flutuante 
onde a sombra da lua cai e canta

há uma torre que não me alcança 
no centro do quadrado

falo da experiência das aves
ou do branco da infância


 Nota: Um belo poema de amor! Há uma metáfora, um quarto de água azul/fechado à chave com fogo, e uma transcendência, há uma torre que não me alcança/no centro do quadrado. E o poema resolve-se nesse conflito.

A "poeta" Maria Azenha colabora neste blogue, publicando-se um poema de sua autoria, às quintas-feiras. 

Sem comentários: