terça-feira, 7 de setembro de 2010

Na "asneira", Portugal está sempre presente...

Bruxelas reclama a devolução de milhões do Fundo da Globalização
Oito dos 12 primeiros projectos de apoio ao
desempregados, financiados pelo Fundo
Europeu de Ajustamento à Globalização
(FEG), deram "buraco". Um é português.
Proposto por Durão Barroso para apoiar
aqueles que perderam os seus empregos
devido à deslocalização das respectivas
empresas para fora da Europa, o FEG
entrou em funcionamento há três anos
e, segundo um balanço apresentado
pela Comissão Europeia na passada
quinta-feira, já mobilizou quase 374
milhões de euros para apoiar mais de 70
mil trabalhadores.
A primeira candidatura de Portugal ao
FEG foi entregue em 2008 com vista apoiar
cerca de 1100 desempregados do sector
automóvel. A mais recentemente aprovada
por Bruxelas, ainda na semana passada,
visa ajudar a reinserção profissional de 839
trabalhadores da Quimonda e poderá traduzir-
se num apoio da ordem dos 2,4 milhões de euros.
Jornal de Negócios
***
É o que se chama um fundo elitista, destinado apenas à aristocracia proletária (engenheiros incluídos). O governo não consegui enxergar, além dos do sector automóvel, outros trabalhadores, cuja perda do posto de trabalho pudesse ser atribuída aos efeitos perversos da globalização. O resultado desta miopia traduziu-se no desperdício de milhões de euros, já que o Instituto para Emprego e Formação Profissional, a entidade que, em Portugal, geria o programa, não conseguiu distribuir mais de metade das verbas em tempo útil.
Até parece que o país está a nadar em dinheiro e que os desempregados são uma raridade na paisagem social.