quarta-feira, 20 de março de 2013

Um Poema ao Acaso: Os grous - Fiama Hasse Pais Brandão


Os grous?

As viagens separam-nos do passado.
Se apenas viajássemos como grous,
sem reconhecer as nações debaixo da quilha do nosso esterno,
se não trocássemos os idiomas e as unhas
com os habitantes das novas geografias,
seríamos nós. Porque o idioma
é fechado e insondável em cada criatura,
porque cada nação é o berço de uma língua
e os meus poemas noutra língua não são meus.
Quando viajamos no mundo não sabemos quem fomos.

Fiama Hasse Pais Brandão
(1938 - 2007)
in "Cenas Vivas", 2000

***«»***
Este poema deve ser "estudado", para se lhe descobrir a originalidade da ideia central e a forma criativa como é exposta. À primeira vista, e numa leitura desatenta, poderá parecer um poema vulgar. Não é! É um poema de antologia.

Sem comentários: