domingo, 14 de julho de 2013

Legislativas Eleições antecipadas à vista?

A sequência da crise em imagens



O Presidente da República, Cavaco Silva, tem exercido pressão junto dos partidos do arco de governação por forma a chegarem a um acordo o mais depressa possível. Caso PSD, PP e PS não se entendam, a alternativa passará mesmo por uma ida às urnas ainda em 2013, relata a edição deste domingo do Jornal de Notícias.

***«»***
Eu nunca acreditei na bondade da iniciativa de Cavaco Silva em impor um acordo de governação aos três partidos subscritores do Memorando de Entendimento com a troika. Só um ingénuo acreditaria que o PS iria cair na armadilha de meter-se na boca do lobo. E Cavaco Silva não tem nada de ingénuo! É manhoso!
Embora lhe conviesse, por arreigada convicção ideológica, e também para corresponder servilmente ao assédio da comissão europeia e do governo alemão, manter em funções um governo de maioria de direita, já moribundo, dando-lhe uma nova vida com algum oxigénio da máquina do PS, ele sabia de antemão que a manobra teria poucas probabilidades de vingar.
Mas tentou a sua sorte, conseguindo assim resguardar-se de qualquer crítica, se o acordo não se firmar, o que é mais provável, e ele for obrigado a convocar eleições antecipadas, ainda este ano. Ele poderá sempre dizer que a culpa foi dos partidos, que não se entenderam. E foi com o mesmo calculismo que, na sua comunicação ao país, ele introduziu habilidosamente, a cláusula de o acordo tripartidário envolver também a realização de eleições antecipadas em Junho do próximo ano.
Aconteça o que acontecer, ele nunca poderá ser acusado, pelas hostes da direita fanática, de ter precipitado um ato eleitoral, que ele nunca desejou. E o que mais irritará Cavaco Silva é o de ser obrigado a tomar uma decisão, há muito tempo reivindicada pelo PCP e pelo BE (a esquerda a ter razão, mais uma vez).
Agora, tudo vai depender do PS. Se meter um pé, assinando um acordo, acaba por ter de meter os dois, pois o fracasso desta solução espúria ser-lhe-á também creditado, o que acarretará custos eleitorais.