segunda-feira, 14 de maio de 2012

Vitória de Hollande não muda políticas de Passos e Rajoy

Passos Coelho e  Mariano Rajoy
A vitória nas eleições presidenciais francesas de François Hollande não muda as políticas dos dois primeiros-ministros de Portugal e Espanha.
Na conferência de imprensa com que hoje terminou na Alfândega do Porto a 25ª cimeira luso-espanhola, Pedro Passos Coelho e Mariano Rajoy sublinharam a plena actualidade das suas políticas de austeridade e de combate ao défice.
PÚBLICO
***&***
O discurso da austeridade já cheira a ranço. A fidelidade canina destes dois homens à ortodoxia financeira imposta por Angela Merkel vai remetê-los para o lixo da História. Em Portugal, mesmo nos períodos mais críticos, nunca houve um governo que fizesse tantas malfeitorias como este, o de Passos Coelho. Rajov, que já leu a cartilha da chancelaria alemã, vai pelo mesmo caminho. Os sinais emitidos pela Grécia, nas eleições do último fim de semana, em que o sistema partidário grego foi pulverizado pelos eleitores, trouxe o pânico aos governos bem alinhados da Europa. Na França, Hollande poderá não constituir um perigo, mas vai criar algumas dores de cabeça. Por isso, tem sido tratado como um mentecapto, que não sabe pensar pela sua própria cabeça, necessitando dos conselhos dos insignificantes primeiros.ministros dos dois países ibéricos.