quarta-feira, 2 de maio de 2012

Dia do Trabalhador



A execução dos cinco anarquistas, em Chicago, no ano de 1887, na sequência da luta pelas oito horas de trabalho diárias, deve excitar, de forma orgástica, o dono da cadeia de supermercados Pingo Doce, Alexandre Soares, que, num ato de inqualificável provocação, ao ordenar a abertura ao público daqueles espaços comerciais, tentou emporcalhar as manifestações do 1º de Maio. Da parte do (des)governo não se ouviu uma voz de condenação por este atentado à dignidade de todos aqueles trabalhadores que saíram à rua para festejar o seu dia.

4 comentários:

Sónia M. disse...

Alexandre, ao entrar no link da noticia, até senti tristeza...nem posso escrever aqui, porque não seria de bom tom, aquilo que pensei!

Beijo
Sónia

Alexandre de Castro disse...

É isso mesmo, Sónia... Dá vontade de partir tudo. E a revolta assanha-se, quando se ouve, na televisão, um alto quadro do Pingo Doce a remeter tudo para uma mera operação comercial e de marketing, em benefício dos clientes. Uma vergonha!...
Beijos

Anónimo disse...

É em benefício dos clientes que se tiram direitos trabalhadores e se paga misérias aos agricultores. É curioso como há cada vez mais quem faça "caridade" com o suor dos outros.

Alexandre de Castro disse...

Anónimo: Pretende-se caminhar para a institucionalização da caridade, em substituição dos direitos, que estão a ser sonegados aos portugueses. O Presidente da República é o principal paladino dessa abstrusa e humilhante tese.