quarta-feira, 9 de maio de 2012

Os ideais dos mártires de Chicago continuam a ser a matriz inspiradora dos trabalhadores de todo o mundo...


Vídeo enviado pelo Diamantino Silva e por Ribeiro de Castro
**
Por este abanão na nossa por vezes já embutida memória colectiva. Se não temos cuidado, de degrau em degrau, de relativização em relativização, corremos o risco de não ter nada como certo, de esquecermos que, sob outras formas (mais sofisticadas), a luta de classes, se bem que diferente daquela que historicamente inspirou Marx e Engels no famoso “Manifesto”, está aí, com as ditas classes médias a proletarizarem-se sob a acção, agora do capitalismo financeiro, variante inovadora … ou decrépita do sistema que, como todos os sistema, não tem vocação suicidária nem benemérita, só largando mão daquilo que lhe é tirado â força, muitas vezes com o preço de muitas vidas.De certeza que alguém anda fora do tempo quando nos querem roubar tanta coisa que à humanidade, e a nós, em partícula, tanto nos custou a ganhar.
Diamantino Gertrudes Silva
**
Momento da história dos EUA: No dia 1 de Maio de 1886, em Chicago, principal centro industrial dos EUA naquela época, milhares de trabalhadores saíram à rua para protestar contra as desumanas condições de trabalho a que erem submetidos e exigir a redução da jornada de trabalho das 13, e que podia ir até às 17, para as 8 horas diárias. Mas a repressão policial desse movimento foi muito dura: houve prisões, feridos e mortos entre os operários e a polícia. Os líderes deste movimento foram presos e imediatamente julgados. cinco foram condenados à morte na forca, dois a prisão perpétua e um a 15 anos de prisão. Dos condenados à morte, na prisão, um suicidou-se e quatro foram enforcados.
Em memória dos mártires de Chicago, como ficaram conhecidos as vítimas das reivindicações operárias que ocorreram em Chicago em 1886 e por tudo o que esse dia significou na luta dos trabalhadores pelos seus direitos, servindo de exemplo para o Mundo inteiro, o 1º.de Maio foi instituído, em Paris, em 1889, como o Dia Mundial do Trabalho, no ano em que se comemorou o 1º.centenário da Revolução Francesa.
Ribeiro de Castro