quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Bispo D. Januário Torgal: Uma voz dissonante da Igreja Católica

“Os nossos governantes vão além dos sacrifícios impostos pela troika"
D. Januário Torgal acusou o governo de tratar os trabalhadores por conta de outrem como se fossem “os assassinos do país", defendendo que essa ideia "é uma calúnia e um aproveitamento, porque na crise revelam-se oportunidades para explorar os explorados". O Bispo das Forças Armadas defendeu a renegociação da dívida.
ESQUERDA.NET
***
O Bispo das  Forças Armadas afasta-se da linha assistencialista, do agrado da maioria do clero católico e estimulada pelo próprio governo, optando por, corajosamente, denunciar a maximização da exploração dos trabalhadores portugueses. Ao propor a renegociação da dívida, D. Januário Torgal alinha com todos aqueles que não aceitam este modelo de austeridade, como medida justa e eficaz para ultrapassar a crise.

1 comentário:

Alexandre de Castro disse...

Comentário publicado no Facebook:

Joaquim Pereira da Silva escreveu: "D. Januário desde há muito assume uma postura muito mais humanista e esclarecida que a maioria dos bispos portugueses. Talvez porque tenha sido capelão das FA ou, talvez porque é mais lúcido e sabe pensar pela sua cabeça."