quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Poema: a sentença das sombras - por maria azenha


a sentença das sombras

Há sombras que parecem
perigosas sentenças trazendo até nós
a memória de um retrato
que é nosso

Defendido por movimentos de medo E jogos de branco
abre sobre ele O selo dos relâmpagos

Afinando em cada noite o piano
dos cavalos

© maria azenha

Publicado em 29 de outubro de 2013

***«»***
A “poeta” regressou ao poema, para nos libertar da orfandade, e, na boca, trazia o selo dos relâmpagos e aquela sentença da verdade, embrulhada nas sombras da noite. Chegou à meia-noite, num trem, puxado por cavalos de fogo. Ficou a memória de um retrato. 
Belo poema, querida “poeta”.
AC

A "poeta" maria azenha colabora regularmente no Alpendre da Lua.

Sem comentários: