sábado, 29 de dezembro de 2012

Pontapés na Gramática!...


Por que se pergunta "és de Braga" a quem deixa a porta aberta? - Jornal de Notícias
São muitos os que atiram de pronto um irritado "és de Braga?" quando alguém deixa a porta aberta, mas raros os que conhecem uma explicação minimamente plausível para a utilização daquela expressão.
A explicação mais conhecida para aquela expressão tem, de facto, a ver com o Arco da Porta Nova, que, como o nome diz, é uma nova porta na muralha de Braga mandada construir no início do século XVI pelo arcebispo Diogo de Sousa.
Como, na altura, já não havia guerras e como a cidade já se estendia para fora dos muros, não foi colocada nenhuma porta naquele arco, assumindo-se assim os bracarenses como pioneiros em deixar as portas das muralhas abertas.
A partir daí, os habitantes de Braga ficaram para sempre conotados como aqueles que não fecham a porta.
Jornal de Notícias
***«»***
Mais uma vez, e agora num jornal de referência, como é o Jornal de Notícias, a Gramática foi pontapeada, tal como acontece com os jogadores de futebol, também eles profissionais de referência, quando abrem a boca para falar para um microfone de uma televisão ou de uma rádio. Mas se compreendemos esses jogadores de futebol, porque admitimos que os seus neurónios lhes tenham fugido para os pés, a mesma complacência não pode ser concedida a um jornal que permite deixar passar um erro gramatical nas suas páginas, e, ainda por cima, e para que o erro assuma maior visibilidade, no título de uma notícia.
A confusão que existe, ao nível da linguagem escrita, entre a utilização das expressões "por que" e "porque", é generalizada, e até julgo que a prevalência da ocorrência desta confusão supera aquela outra, já clássica, sobre a utilização da expressão "há", uma forma do verbo haver, e a expressão "à", contração da preposição "a", com o artigo definido "a". 
Numa frase interrogativa, como é a do título desta notícia, a forma correta de a escrever seria: Porque se pergunta "és de Braga" a quem deixa a porta aberta?
"Porque" é um advérbio (antes do verbo), e era este advérbio que,  na frase em questão, deveria ter sido utilizado, a anteceder a forma do verbo "perguntar". Pelo contrário, utilizar-se-ia a expressão "por que", caso se, em vez de um verbo, a frase se iniciasse por um substantivo: Por que razão se pergunta "és de Braga" a quem deixa a porta aberta?
Aqui, não está apenas em causa a distração ou a ignorância do jornalista que escreveu a notícia, mas também as do editor (chefe de secção), que leu o texto, para o poder editar, e as do chefe de redação, que também teve de o ler para lhe hierarquizar a importância, para opções de paginação.
Para compreender melhor a utilização daquelas duas expressões homófonas, em outros tipos de frases, além das frases interrogativas, remeto o leitor, através do link, incluído no final deste texto, para um post deste blogue, onde o assunto é abordado.
Achei interessante a explicação da origem histórica desta frase idiomática, do léxico popular, "és de Braga", origem essa que desconhecia, assim como desconheço a origem daquela outra "vai para baixo de Braga", que tem um sentido civilizadamente insultuoso.
Nota: Há quem me chame carinhosamente picuinhas, por estar sempre (embora com sentido pedagógico e não com acinte crítico) a apontar erros ortográficos, gramaticais e de pontuação. O que sempre digo nestas situações, é que eu também hesito muito em escrever corretamente certas palavras, principalmente no computador, em que deixa de funcionar a memória visual das palavras, ligada à escrita manual. Por isso, tenho sempre junto a mim um dicionário, que, inclusivamente, já utilizei para escrever esta texto. Mesmo assim, não sei se sobrará um qualquer erro gramatical ou ortográfico.
Não tenho a obrigação de saber tudo, em relação à Língua Portuguesa, mas sei que tenho a obrigação de lhe respeitar as regras gramaticais e ortográficas, regras que não são gratuitas nem inúteis, pois têm o objetivo de a disciplinar, para que o discurso escrito seja integralmente entendido, por quem o lê. E é esta filosofia que os jornalistas do Jornal de Notícias devem recuperar.