segunda-feira, 3 de abril de 2017

Salvador Dali, um dos maiores pintores de todos os tempos


Salvador Dali, um dos maiores pintores de todos os tempos

Salvador Dali, um dos maiores pintores de todos os tempos, perseguiu, durante todo o seu percurso artístico, a ideia da transgressão, quer a transgressão temática, desconstruindo as narrativas mitológicas e as narrativas do mundo real, tal como as interpretamos, quer a transgressão formal, ao nível do estilo pictórico e ao nível da figuração, optando por agigantar até ao limite as personagens e todos os elementos físicos das suas composições. Repare-se, por exemplo, no efeito cinético, conseguido na pintura "A Tentação de Santo António", em que o cavalo, desencabrestado, parece querer saltar para fora da tela.
Dali, tal como Picasso, inaugurou um novo conceito de pintura, que eu designo de surrealismo do fantástico ou, segundo alguns autores, do surrealismo metafórico. Também poderíamos dizer que Dali trabalhou na tela a alucinação, a loucura, a excentricidade e o assombro, numa tentativa de intimidar o espectador, obrigando-o a ser mais activo na observação e na interpretação da obra, já que, em relação ao passado, olhava-se para uma pintura, de uma forma mais passiva e tranquila, tal como se se observasse uma paisagem. Perante uma pintura de Dali, ninguém fica indiferente. Pela intensidade das cores e pela distorção e gigantismo das formas, e, também, pelo uso do plano da profundidade, que dá a sensação de não ter fim, Dali impressiona e cria tensões emocionais nos espectadores. Ele não é o pintor da estética harmoniosa. Na maioria dos seus trabalhos emerge uma tensão de violência e uma sensação de desequilíbrio, à beira do abismo.
Alexandre de Castro
2016 01 30

3 comentários:

Alexandre de Castro disse...

Além da grande expressividade, que marca as suas composições pictórictas, Dali foi excepcionalmento original na forma, no estilo e no conteúdo. Tal como Picasso.

cid simoes disse...

MAS NÃO ESQUECER AS SUAS BOAS RELAÇÕES COM FRANCO.

Alexandre de Castro disse...

Exacto, Cid Simões. Também Ionesco era fascista, e, no entanto, foi um grande escritor. Mas essa condição não pode ser incorporada na análise literária, a não ser que as respectivas obras tivessem sido apologéticas, o que não é o caso, pelo menos, em relação a Dali. Dali e Picasso fizeram uma autêntica revolução nos cânones da pintura, que só tem paralelo com a dos renascentistas italianos.