terça-feira, 8 de dezembro de 2015

Poeta Ashraf Fayadh condenado à morte por apostasia, na Arábia Saudita…

Ashraf Fayadh _ pintura de Mona Kareem

“O petróleo é inofensivo...” Assim começa um poema de Fayadh, o saudita condenado à morte
Ashraf Fayadh tem 35 anos e foi condenado à morte por um tribunal saudita. Poetas, escritores e organizações de Direitos Humanos pedem clemência e a comutação da pena do homem que cantou as “gotas da chuva”
 “O petróleo é inofensivo, exceto no rastro de pobreza que deixa para trás”, assim começa um poema de Ashraf Fayadh, 35 anos, poeta de origem palestiniana condenado à morte por apostasia na Arábia Saudita.

***«»***
Que as "gotas da chuva"(*) lavem a desonra de um reino, que ainda não se libertou da escuridão das trevas medievais e cujo brilho da ostentação do dinheiro do ouro negro não consegue esconder... Levantem-se os homens contra a ignomínia de mandar matar em nome de um Deus, que outros homens querem bárbaro e assassino. Que as areias abrasadoras do deserto queimem os olhos de quem assim pensa. A cegueira da Fé só consegue ver a luz das catacumbas da morte...
AC

(*) "gotas de chuva" é uma expressão de um poema de Ashraf Fayadh.
**
Já experimentámos o fascismo das botas cardadas, que inventou o medo e a fábrica da morte em Auschwitz; vivemos alegremente o silencioso fascismo financeiro, nascido das entranhas fedorentas do dinheiro; e agora estamos a ser confrontados com um novo tipo de fascismo, o fascismo religioso, o da traiçoeira bomba jihadista e o da ditadura da Fé. Os três não se diferenciam na sua natureza perversa, nos seus métodos hediondos e nos seus propósitos totalitários. Os três juntos querem dominar o Céu e a Terra e as nossas consciências. Têm um ódio visceral à Liberdade e têm medo do nosso pensamento.
AC