sábado, 19 de dezembro de 2015

Mais de 2,2 milhões de portugueses vivem em privação material


Mais de 2,2 milhões de pessoas vivem atualmente em privação material em Portugal, segundo um inquérito do Instituto Nacional de Estatística, que aponta uma redução de cerca de 425 mil pessoas a viver nesta situação face a 2014.
 Os dados constam do Inquérito às Condições de Vida e Rendimento das Famílias realizado anualmente pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) sobre rendimentos do ano anterior das famílias residentes em Portugal.

***«»***
O Inquérito às Condições de Vida e Rendimento das Famílias talvez seja o melhor instrumento estatístico para fazer o retrato, a preto e branco, do panorama social do país, porque, essencialmente, fala de pessoas e dos seus problemas. Isto, claro, não invalida a necessidade e a utilidade dos outros indicadores macro económicos, dos quais a governação não pode prescindir. 
O que aquele inquérito nos mostra é que o retrato social do país, em 2015, está bem negro, embora tenha melhorado ligeiramente em relação ao ano anterior, o que era expectável, devido ao facto de 2015 ser um ano de eleições. Foi uma ligeira melhoria meramente conjuntural e não estrutural. E enquanto não se enfrentarem, com determinação, as entorses da economia portuguesa, que é obrigada a ter de viver com uma moeda hipervalorizada em relação à produtividade, o que exige uma mudança de políticas, a inversão do panorama social do país, que aquele inquérito reflecte, não ocorrerá tão cedo, antes irá agravar-se.

4 comentários:

O Puma disse...

A ver vamos diz o cego

Abraço

Rogerio G. V. Pereira disse...

Bem vão os que se dedicam à caridadezinha...
Não lhes falta "matéria-prima"

(não vai ser fácil sair disto!)

Alexandre de Castro disse...

Puma: Trata-se de um mar de incertezas. Pode ser que, no próximo domingo, de Espanha, venha bom vento e um bom casamento.
Obrigado.
Abraço

Alexandre de Castro disse...

Rogério: A caridade pode engrandecer quem a pratica, mas humilha sempre quem a recebe.