domingo, 4 de outubro de 2015

Afinal, foi a direita que sofreu uma grande derrota...


Afinal, as coisas não são tão más como pareciam no início da divulgação dos resultados, com a TVI a fazer o frete à coligação, considerando-a a incontestada vencedora das eleições, baseando-se na sondagem à boca das urnas. Foi, afinal, uma vitória de Pirro, aquilo que os pauliteiros do Paulo e os pedreiros do Pedro vitoriaram. A coligação, neste momento em que escrevo, já perdeu a maioria de deputados. PS, BE e CDU já têm mais deputados, e a projecção indica que esta situação vai progredir, pois só agora é que começam a ser contabilizados os votos das freguesias dos grandes aglomerados urbanos, mais alinhadas com a esquerda. A coligação, em relação às eleições anteriores, perdeu a maioria absoluta, perdeu votos e perdeu mandatos. Foi uma derrota, que a coligação pretendeu esconder atrás da derrota do PS. Agora, em relação ao próximo governo, tudo vai depender do PS, que possivelmente vai começar a ser pressionado e chantageado pelos dirigentes políticos europeus, no sentido de se aliar à coligação ou de viabilizar o seu governo minoritário. Se for assim, o PS, a prazo, será um partido liquidado, tal como o PASOK e o PSOE.
Como conclusão, é necessário dizer que os partidos europeístas, os partidos da troika e da austeridade (PS, PSD e CDS) foram castigados.