segunda-feira, 18 de agosto de 2014

Um adeus do Alpendre da Lua



Depois de mais cinco anos de edição, quase ininterrupta, o Alpendre da Lua chega ao seu fim, pela simples razão de que tudo aquilo que começa tem de acabar.
Iniciada a sua edição, no dia 21 de Maio de 2009, com a publicação do poema “Alba”, de Eugénio de Andrade, e atingindo uma expressiva dimensão estatística reproduzida no registo de 177.779 visitas, 21o seguidores, 318.825 visualizações de páginas e 3.809 publicações, o Alpendre da Lua vagueou por uma grande diversidade de temas, tendo-se posteriormente fixado na abordagem de temas políticos, económicos e ideológicos, com especial destaque para os referentes à crise financeira do nosso país, em que se procurou desmontar criticamente todas as narrativas que tentavam obscurecer as suas verdadeiras causas, assim como os hiperbólicos e delirantes elogios às erradas soluções para a resolver, e onde não faltou quem tivesse deitado mão ao argumento irracional das inevitabilidades.  
Foi um trabalho intelectualmente edificante e gratificante, além de ser também um trabalho civicamente militante. Sinto-me, pois, compensado.
Uma palavra de agradecimento para os vários colaboradores e colaboradoras, que, com os seus textos e as suas imagens, prestigiaram com o seu reconhecido mérito este blogue.
Mas o grande agradecimento vai para todos aqueles leitores, a maioria deles leitores anónimos, que passaram por aqui e que deram toda a razão de ser para que o Alpendre da Lua pudesse ter existido.
Obrigado.

Alexandre de Castro