domingo, 17 de agosto de 2014

António Costa: "Este Governo está esgotado nas suas soluções"


O candidato à liderança do PS António Costa considerou hoje que a sustentabilidade da Segurança Social não exige cortes nas pensões, mas a criação de emprego, acrescentando que o primeiro-ministro não apresentou uma proposta de reforma.
Para António Costa, o que põe em causa a sustentabilidade do sistema da Segurança Social não é o valor das atuais pensões, mas "a crise económica".
"Só o desemprego e a emigração, por perda de salários e por perda de contributos, criaram uma fragilidade de 8 mil milhões de euros", frisou.

***«»***
Quem assinou o Memorando de Entendimento (e o PS também o assinou) sabia que todas aquelas políticas concertadas com a troika (UE/BCE/FMI) conduziriam o país para a desgraça. Os signatários de tal acordo e todos os seus comparsas sabiam perfeitamente que, com os cortes brutais nas pensões e nas prestações sociais e o aumento, também brutal, dos impostos diretos e indiretos, o consumo das famílias iria levar um grande rombo e que as famílias mais pobres e as da classe média baixa iriam ter graves problemas de subsistência. Também sabiam que a economia iria estagnar, precisamente por causa da diminuição do consumo privado e do investimento, e que, perante este quadro, os jovens não tinham outra alternativa, senão a de emigrar. Também sabiam que, no âmago daquele acordo com a troika, e sem que isso fosse explicitado, havia a oculta intenção de atrofiar até ao limite os três pilares do Estado Social, o que está a ser feito com sucesso, para gáudio dos grupos económicos da saúde e da educação (igreja católica) e das seguradoras.
Tal como eu, também António José Seguro e António Costa sabiam disto tudo. Ou não sabiam?! E perante este quadro, verdadeiramente tenebroso, o que se impõe é que ambos digam aos portugueses, sem utilizarem os chavões da campanha eleitoral, como é que eles irão dinamizar a economia e aumentar os postos de trabalho para evitar a sangria emigratória, se ambos, com arreigadas convicções europeístas, concordam com o Tratado Orçamental, que vai obrigar a diminuir a despesa do Estado, para levar a dívida pública aos 60 por cento do PIB, tal como nele se preconiza. É que, tal como o memorando de entendimento com a troika, também o Tratado Orçamental é uma camisa de onze vares para os países mais endividados, como é o caso de Portugal e da Grécia. Estes dois países dificilmente se libertarão do garrote da austeridade, que, no futuro, ainda vai acentuar-se mais, depois das eleições legislativas do próximo ano. Se lá chegarmos…