sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Já abriu a corrida a centenas de 'tachos' no Estado

'Troika' exige concursos públicos, mas o Governo ignora regra. Saúde e Segurança Social são os sectores que têm mais vagas para oferecer.
Segundo o Correio da Manhã, a disputa pelo Hospital de Aveiro é a última polémica.
Diário de Notícias
***
Já lhe é reconhecida a vocação para as fidelidades caninas, como se pode observar pelo seu seguidismo em relação a Angela Merkel, que, possivelmente, até já lhe ofereceu, como prémio pelos seus bons serviços, o cargo de futuro presidente da Comissão Europeia, em substituição de Durão Barroso, que a Kaiser de saias não suporta. Agora vem à tona a sua alma de camaleão, ao fazer o contrário daquilo que prometeu, antes das eleições. Passos Coelho, o falso moralista, invoca o carácter sagrado do documento da troika para aplicar o brutal programa de austeridade aos portugueses, mas ignora que as  disposições daquele mesmo documento determinam a realização de concursos públicos para a nomeação de cargos de chefia e de direcção do Estado. Os boys do PSD já salivam abundantemente com a hipótese de irem ocupar os lugares bem remunerados que os boys do PS são obrigados a abandonar. Alguns já se instalaram. No Hospital de Abrantes, um engenheiro de uma fábrica de produção de tubos de plástico foi promovido para membro do conselho de administração daquele unidade de saúde. Presume-se que o homem vai mandar substituir os tubos digestivos dos doentes por canalizações de plástico, o que fica mais barato para o Serviço Nacional de Saúde, como quer a troika..   
Os ávidos candidatos só ainda não começaram a engalfinhar-se e a morderem-se uns aos outros, na disputa pelo melhores ossos. Mas isso só irá acontecer quando no canil anunciarem mais vagas.
Entretanto, Passos Coelho, cujo carácter está ao nível do cano de esgoto, continua a fazer orelhas moucas aos apelos dos fornecedores do Estado, que estão a arder com o seu dinheiro, mas, ao invés, invoca os valores morais para exigir o escrupuloso cumprimento dos compromissos assumidos por Portugal para com os credores internacionais e para com as instâncias políticas europeias. Tendo a coluna vertebral de um molusco, Passos Coelho arrisca-se a perder toda a credibilidade para ocupar o lugar de primeiro ministro.
http://www.dn.pt/politica/interior.aspx?content_id=2172740

Sem comentários: