sábado, 11 de março de 2017

Fórum Médico _ COMUNICADO



COMUNICADO

Fórum Médico

Os médicos e os doentes portugueses estão indignados com a situação que se vive actualmente na Saúde.
A pressão excessiva e a interferência, por parte da tutela, nas boas práticas médicas e, consequentemente, na qualidade da medicina, ultrapassou o limite do aceitável.
O acesso aos cuidados de saúde continua a agravar-se, existindo uma gritante injustiça e desigualdade entre os grandes centros urbanos e as regiões mais periféricas, mais carenciadas e mais desfavorecidas.
As condições de trabalho continuam a agravar-se. O contexto laboral e salarial mantém-se em níveis de deterioração elevados. A capacidade formativa está amputada devido à escassez de capital humano e requisitos no SNS. A interferência incompreensível na formação médica e na investigação clínica no sector público é mais um contributo negativo para a qualidade da formação. A política deliberada de tentar espartilhar a autonomia técnico-científica e os actos médicos, em nome da sustentabilidade, não defende nem respeita os doentes nem os profissionais de saúde.
A violação sistemática da legislação laboral por parte dos profissionais da gestão e das administrações nomeadas, a legislação inadequada que impede o funcionamento e flexibilidade necessária para responder aos desafios do presente e do futuro, contribuem também para agravar a indignação que cresce no seio dos médicos que, apesar de todas as adversidades, têm mantido o SNS a funcionar, com milhares de horas de trabalho que ultrapassam largamente os limites da própria legislação.
Os exemplos são muitos, não foram resolvidos, e irão ser em breve divulgados num diagnóstico da situação, que será entregue ao Ministro da Saúde e ao Presidente da República Portuguesa.
Se as promessas ministeriais se transformassem em atos concretos e em medidas de solução dos problemas existentes, hoje não estaríamos aqui reunidos. Chegamos a uma situação que já não permite qualquer atitude expectante.

Face ao exposto, as organizações médicas hoje reunidas no Fórum Médico entendem:
1 – Defender um SNS de qualidade que respeite os preceitos Constitucionais, com o orçamento público adequado.
2 – Congratular-se com a união e convergência de todas as organizações médicas e de todos os médicos na defesa dos doentes e da qualidade da medicina.
3 – Estimular as organizações médicas para que, no âmbito das suas competências legais, apresentem um programa de negociações, dotado de um curto calendário negocial e onde todos os problemas que afectam a medicina e os médicos sejam objecto de análise e resolução.
4 – Tal programa global de negociações deve contemplar aspectos fundamentais vertidos nos cadernos negociais dos sindicatos médicos já reiteradamente entregues ao Ministério.
5 – A questão da reposição do valor remuneratório do trabalho suplementar a que os médicos são obrigados, não sendo matéria isolada é de imperiosa resolução a muito curto prazo.
6 – Caso as negociações não se traduzam a curto prazo em resultados inequivocamente positivos, as organizações sindicais médicas estão preparadas para desencadearem os adequados mecanismos legais de convocação de uma greve nacional dos médicos.
7 – O Fórum Médico decide ainda constituir-se em estrutura informal dotada de um regular funcionamento e como um espaço privilegiado de diálogo, articulação e convergência entre as várias organizações médicas.

APROVADO por unanimidade e aclamação

Lisboa, 10 de Março de 2017

Secretariado do CN
Ordem dos Médicos

1 comentário:

Lucília Monteiro disse...

Depois os utentes é q sofrem como na ultima deslocação q tive de fazer à urgência do hospital do Barreiro cm a minha mãe, cm 74 anos e cm vários problemas de saúde, desde osteoporose cm um síndroma associado, q agora não me recordo o nome, hipertensa e com registos de vários AVCs no cérebro. Chegámos à urgência às 10 e 45 da manhã e saí de lá cm ela às 4 da manhã sem saber pq tinha passado a noite a vomitar e pq tinha acordado cm uma perna super inchada e a deitar liquido. O 1° médico q a atendeu foi super atencioso,mandou fazer análises e estava ainda a trabalhar qd a minha mãe teve alta às 4 da manhã. O 2° médico q depois a atendeu e a mandou fazer ecografia aos rins e repetir análises, disse q estava tudo bem e q podia ir p casa. Qd o questionei sobre a origem dos vómitos e da perna inchada começa a gritar comigo e a questionar me se eu estava a duvidar dele. Ao q lhe respondi q se calhar era necessário outros exames. O sr continuou aos gritos a dizer q ti ha 35 anos d carreira ao q khé respondi q acreditava q ele estivesse cansado, pois tb estava lá desde q eu tinha entrado cm a minha mãe e o sr. continuou a gritar a dizer p não lhe dizer q estava cansado e a dizer me q eu estava a brincar cm ele. Respondi lhe q o q queria era saber o q se estava a passar cm a minha mãe e cm tantas horas ali à espera, na maior parte do tempo de pé, pois as salas estavam cheias, o q me apetecia era tudo menos brincar. Disse lhe q saía dali cm a minha mãe mas se lhe acontecesse alguma coisa alguém ia ser responsabilizado. Ao q o sr. doutorzeco me respondeu q ele não era de certeza. Pedi o livro de reclamações e apresentei queixa. Vamos ver o q me respondem se é q me respondem. Refiro ainda q isto aconteceu há 2 semanas e havia 19 dias q eu tinha passado a noite cm ela no hospital cm o mesmo cenário, desde as 19 h até às 8 da manhã do dia seguinte, mas aí a doutora viu nas análise uma pequena infecção urinária.