terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Um caso exemplar em que o establishment ataca Trump sem fundamento

Melania Trump visitaram jardim japonês  |  REUTERS/JOE SKIPPER/DN

Um caso exemplar em que o establishment
ataca Trump sem fundamento

Não há dúvida nenhuma que o clássico establishment dos EUA e de todo o mundo ocidental está apostado em mover uma feroz campanha para descredibilizar Donald Trump, que parece querer virar os EUA às avessas, não se sabendo ainda se é para o bem ou para o mal. E, com a ajuda de uma imprensa pressurosa e servil, escolhe todos os pretextos, que consegue apanhar, para concretizar os seus intentos. O caso, amplamente noticiado, de um suposto exagero do aparelho de segurança, que está a guardar o edifício, em Nova Iorque, onde a esposa do presidente, por razões familiares, continua a residir, é um exemplo claro da desonestidade do processo, pois joga com o desconhecimento da maioria das pessoas, em relação ao modus operandi da segurança das figuras públicas.
Neste caso, não é o presidente que determina a forma como se organiza a segurança, a si próprio e às pessoas da sua família nuclear. Essa difícil tarefa pertence por inteiro ao respectivo responsável máximo do departamento da segurança da Casa Branca, que, a cada momento, planeia, organiza e põe em execução esquemas de segurança, em função grau de perigosidade. E como é ele o responsável, não arrisca facilitismos, principalmente, perante a enorme crispação que se está a viver nos EUA, em relação a Trump.
Estamos, pois, perante uma ofensiva desabrida, que não hesita em recorrer a processos ínvios de desinformação e de intoxicação mediática. Uma coisa é não gostar de Trump. Outra coisa é atacá-lo, sem fundamento, o que é o caso, aqui referido.

DECLARAÇÃO DE INTERESSES: Não apoio Trump, mas também não apoiei nenhum dos presidentes recentes dos EUA. Todos eles recorreram a guerras, desencadeadas directamente ou, indirectamente, encomendadas a terceiros.
Alexandre de Castro

Sem comentários: