segunda-feira, 18 de abril de 2016

FICA DILMA...


O Brasil exibiu perante o mundo um deplorável espectáculo, que mais parecia um circo romano, no Coliseu. A política, por obra e graça dos seus agentes, muitos deles afogados nos escândalos da corrupção, desceu ao nível do excremento e da cloaca. O Brasil ficará refém de si próprio, enquanto não fizer uma profunda catarse do sistema político e partidário.
O que está a ocorrer no Brasil é, na realidade, um bem elaborado golpe de Estado, inspirado e apoiado do exterior e desencadeado pelos partidos representativos dos interesses das classes possidentes. Dilma não é suspeita de nenhuma infracção nem de nenhum crime, que justificasse o recurso à bomba atómica constitucional. Além de se ter politizado a Justiça, agora, judicializou-se a política. E isto é muito grave para o futuro do Brasil.
***
Na realidade, Dilma governou mal, mas este julgamento cabe aos eleitores e não pode constituir argumento para recorrer à bomba atómica constitucional, o impeachment. 
Dilma cometeu erros na área política e na área económica. 
Na área política, porque descartou os partidos de esquerda que, em coligação, contribuíram para a sua eleição, assim como, anteriormente, para a eleição de Lula, preferindo antes piscar o olho aos partidos de direita. Na actual crise, perdeu apoios nas duas áreas. Faltou-lhe instinto político.
Na área económica, e apesar de ela ser economista, não percebeu que não podia repetir o modelo de Lula, que aproveitou os excedentes proporcionados pelo" boom" das exportações, para retirar da miséria cinquenta milhões de brasileiros, o que conseguiu. Com maior rendimento disponível, este segmento populacional entrou rapidamente numa euforia consumista, que os bancos estimularam intensivamente, emprestando dinheiro a baixo juro. Se Dilma tivesse estudado o que aconteceu em Portugal e nos outros países europeus teria logo intervindo, a fim de evitar o crescente endividamento das famílias. Só mais tarde, quando a evidência da crise dos incumprimento já era uma realidade, e à qual se veio juntar a queda das exportações do petróleo e dos produtos agrícolas, é que ela reagiu, escolhendo o pior caminho, a receita neoliberal da austeridade. A partir daí começou a perder apoios, que a direita revanchista aproveitou. Como essa direita não conseguiu, por um fio, evitar a sua reeleição, avançou-se para o desencadeamento de golpe de Estado palaciano, antecedido por campanhas mediáticas de grande envergadura, em que se procurou intoxicar a opinião pública brasileira.