domingo, 15 de novembro de 2015

Barack Obama sangra-se em saúde _ por Odete Santos*


Barack Obama sangra-se em saúde

No coração da Europa, em Paris, bem perto de nós, o Isis perpetrou um conjunto de ataques, reivindicando-os e atribuindo-os ao facto de a França ter colaborado nos bombardeamentos contra o Estado Islâmico.E o que me faz escrever estas linhas é precisamente a hipocrisia daqueles países e sinistras personalidades que, vertendo lágrimas de crocodilo, se sangram em saúde lamentando estes atentados terroristas.
Hoje, está mais do que assente a responsabilidade dos E.U.A. na criação e desenvolvimento do ISIS
Sabe-se, e está hoje assente que os E.U.A são o Estado mais terrorista do mundo. Falam por nós os atentados de 11 de Setembro que provocaram o derrube das três torres. Foram três e não duas.
Sabe-se e está hoje assente que a guerra do Iraque assentou numa mentira: a de que Sadam Hussein utilizava armas proibidas. Mentira, aliás reconhecida por uma das personagens principais desse melodrama, Tony Blair, que reconhece que essa mentira muito provavelmente estará na origem da formação do Estado Islâmico..
Sabe-se que os Estados Un idos da América prestam assistência militar ao Estado Islâmico, para que este apoie a oposição ao Presidente Bachar el Assad.
Sabe-se e as carrinhas Toyota nas mãos do Estado Islâmico disso são prova, do suporte técnico dos E.U.A. ao Estado Islâmico.
Sabe-se que a Nato que agora também se sangrou em saúde a propósito dos atentados em Paris, esteve na base da destruição da Líbia transformando este país num ninho de terroristas
Não posso dar mais do que uma modesta contribuição na denúncia dos verdadeiros criadores do Estado Islâmico. Mas vou fazê-lo para que o mundo não se esqueça de quem o lança na 3ª Guerra mundial

Odete Santos
* Ex-deputada do PCP _ Assembleia da República

2 comentários:

Maria Antónia Fonseca, disse...



Creio que não há muitas dúvidas sobre o que escreveu!

Alexandre de Castro disse...

Maria Antónia Fonseca:
Eu não tenho nenhumas dúvidas sobre o que Odete Santos escreveu. As grandes potências ocidentais, com destaque para os EUA, já alugam exércitos para fazerem a guerra por elas. Na invasão da Líbia,foram utilizados mercenários do Catar, que, de armas na mão, se deixavam filmar pelos repórteres televisivos, fazendo-se passar por rebeldes líbios. Na Síria, os agentes da CIA abriram corredores, a partir da fronteira turca, por onde os rebeldes sírios transportam armas e munições, para entregarem posteriormente ao ISIS. O governo francês já admitiu que treinou terroristas do ISIS. Com esta estratégia, bem montada, pretendem que aquelas forças, rebelde sírios e terroristas do ISIS, derrubem o presidente da Síria, que se constituiu num obstáculo à concretização das ambições hegemónicas dos EUA sobre todo Médio Oriente.
Por isto tudo se poderá dizer que são os EUA e os seus principais aliados que estão a fomentar o terrorismo islâmico.