quinta-feira, 26 de julho de 2012

Olhando o Alentejo e a magia da sua beleza...


A uma grande e nobre amiga que, lá longe, numa terra de brumas, estranha, cinzenta e triste, procura nas pontas da rosa dos ventos a sua carta de marear, pousando o seu doce olhar, coberto por uma saudade imensa, na vastidão da planicie, na hora do sol poente.      
Clicar aqui:
http://rendarroios.blogspot.pt/2012/07/do-amor-e-da-revolta.html

2 comentários:

Graza disse...

Etiquetei como "Canções do enquanto esperamos" porque acredito que se faça luz nesta gente um dia destes. É uma grande ternura, mas revolucionária esta canção.
Um abraço.

olimpio pinto disse...

Perante tão grande beleza
De uma Natureza sem fim!...
Atrevo-me a desejar
A essa tua nobre amiga -
Possa deixar de marear!
E bem seja a encontrar
E seu olhar mui brilhar
Com sua doce Carícia...
Por bela e vasta planície.