quarta-feira, 4 de julho de 2012

Descoberta nova partícula que pode ser o bosão de Higgs

O CERN anunciou esta quarta-feira de manhã em Genebra a descoberta de uma partícula totalmente nova que pode ser o bosão de Higgs, entidade subatómica cuja procura dura há quase 50 anos.
PÚBLICO
***«»***
Como disse um dia Peter Ware Higgs, o físico teórico britânico e professor emérito da Universidade de Edimburgo, quando se confirmar a existência do bosão (que já leva o seu nome, pois foi ele a prevê-lo), a Humanidade estará a tocar o dedo de deus. Agora, eu gostaria de ficar saber se, um dia, irá ser possível, também, encontrar a mão daquele dedo, o braço daquela mão, o tronco daquele braço e a cabeça daquele tronco. A existir, aquela cabeça deverá ser descomunal.
A elevada probabilidade de os físicos do CERN terem identificado o bosão de Higgs, a partícula que se formou ao milionésimo segundo, após o Big Bang, e que deu origem a toda a matéria do universo, representa um grande salto da ciência, no sentido de compreender melhor a origem de todas as origens.
http://publico.pt/Ciências/descoberta-nova-particula-que-pode-ser-o-bosao-de-higgs-1553327

Atualizado às 15,47 H

Dissertação sobre o Big Bang…

E naquele momento zero em que tudo começou,
no primeiro segundo cósmico,
surgido a partir do Nada
a energia, concentrada e tensa, explodiu
fazendo saltar matéria incandescente a alta velocidade
para formar estrelas, cometas, planetas e galáxias
a ensaiar uma louca dança orbital
e a obedecer com precisão infinita
à lei da gravitação universal
Newton ainda estava a muitos anos-luz de distância
na escala temporal, até uma maçã o despertar
Galileu leu todos os sinais dos céus,
observou, fez experiências, analisou e calculou
e tudo ficou mais claro e transparente
para um cabal e definitivo entendimento
nem o Papa, que o mandou calar,
nem a sentença da Sagrada Inquisição
estancou aquele pensamento perverso
de ser a Terra continuamente a rodar
e de nunca ter sido o centro do Universo
desmentindo assim as verdades divinas
vertidas pela Fé nas Escrituras
e o Mundo continuou a girar, a girar,
rasgando segredos e descobrindo infinitos
com estrelas ainda a nascer
e outras a desaparecer, em lenta agonia cósmica
até um buraco negro as devorar
como se tudo se reduzisse a uma liminar equação
entre energia e matéria, na sua matemática relação
e que Einstein revolucionariamente resolveu
mas há ainda uma outra lei desconhecida,
a do ciclo e do contra-ciclo, marcada pelo tempo,
com o Universo a inverter-se e a matéria a contrair-se
quando a energia se esgotar e o espaço terminar,
deixando de se dilatar
aparecendo, então, uma força descomunal
a esmagar galáxias, estrelas, cometas e planetas
(fulminando a Humanidade, se ela ainda existir)
até a matéria se dissolver
e a energia regressar ao ponto inicial
para um outro Big Bang começar…

Alexandre de Castro
http://alpendredalua.blogspot.pt/2010/06/anotacao-do-tempo-dissertacao-sobre-o.html

4 comentários:

Joaquim Pereira da Silva disse...

Porra Alexandre!!!
Este "porra" é admirativo, não confundir!
A tua alegoria ao "bosão" é verdadeiramente fenomenal.
Vê-se que foi escrita ao correr da pena e daí mesmo o ser muito mais interessante.
Momento de inspiração que merece um grande abraço de parabéns.
Pereira da Silva

Alexandre de Castro disse...

Obrigado, amigo Joaquim. Um abraço.

Maria José Meireles disse...

"Na metáfora há uma verdade e, como ela é do domínio existencial, vale mais do que a verdade científica."

olimpio pinto disse...

BOA, Alexandre!
"Muito bem se canta na Sé, mas...

(Gostei do poema, e, em particular, do uso da palavra"prever" - tem muito que se lhe diga - essa capacidade, sendo talvez o vértice da inteligência, sempre foi muito rara, e parece quase ter desaparecido.)

Abraço.