domingo, 19 de novembro de 2017

Angola: Ruptura ou mudança na continuidade?


Angola: Ruptura ou mudança na continuidade?

Angola é um dos poucos países do mundo, em que o casamento da política com os negócios se realizou sob o regime de comunhão de bens. Eduardo dos Santos, depois de consolidar a sua posição política no seio do MPLA, depressa percebeu que poderia construir um império financeiro, se transformasse o seu governo numa S.A. E foi o que fez, fazendo-se rodear por outros dirigentes do partido, que depressa se transformaram em dinâmicos empresários.

E só assim, com todas estas cumplicidades, é que se percebe a razão por que Isabel dos Santos, a filha que lhe herdou a calculada astúcia, acabou por brilhar no universo dos negócios, negócios que até se alargaram a Portugal.

A máquina publicitária fez dela um génio, o que não é verdade, pois génios, nos negócios, são aqueles empresários que descobrem oportunidades que os outros empresários e outros candidatos a empresários não enxergam. Pelo contrário, Isabel dos Santos foi ganhando oportunidades, nos terrenos clássicos do actual sistema económico-financeiro, porque o dinheiro seguia sempre à frente da inteligência, que, aliás, se lhe reconhece.

O mundo está expectante sobre as mudanças que o novo presidente pretende realizar, depois da audácia que revelou em "humilhar" Eduardo dos Santos, demitindo a sua filha da Sonangol. Mas, em África, tudo pode acontecer, e no melhor pano cai a nódoa. Será que João Lourenço vai virar do avesso o sentido da política em Angola, em prol do desenvolvimento do país e de uma melhor distribuição da riqueza? Ou pretende construir o seu próprio império, sobre os escombros do império de Eduardo dos Santos? Para já, dou-lhe o benefício da dúvida, ao mesmo tempo que rejubilo com as corajosas e auspiciosas medidas que já tomou.

No entanto, Eduardo dos Santos ainda não morreu politicamente e também não se sabe até que ponto a sua saúde física vai permitir que faça um contra-ataque, estribando-se no importante lugar que reservou para si, o de Presidente do MPLA. Por outro lado, parece que começa a haver deserções dos seus companheiros mais próximos, que, silenciosamente, estão a dar sinais de querer arranjar um cómodo e favorável lugar na carruagem da frente, do comboio que João Lourenço já pôs em andamento.

Alexandre de Castro
2017 11 18